Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) denunciou que a Ryanair vai avançar para o despedimento coletivo de 23 tripulantes na sua base do Porto.

Ao mesmo tempo que a companhia se prepara para despedir, a empresa “está a realizar em simultâneo cursos para novos tripulantes, violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo comunicado do SNPVAC.

O sindicato já solicitou uma reunião com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nunos Santos, para denunciar o que considera ser uma “autêntica perseguição da Ryanair aos seus tripulantes de Cabine, fazendo tabua rasa dos seus direitos laborais que estão consagrados na nossa lei. Os colaboradores da Ryanair não podem ser constantemente perseguidos por uma Empresa que sistematicamente viola o Código de Trabalho e com isso beneficiará de uma vantagem concorrencial no panorama da aviação europeia”.

“Lamentamos profundamente que após várias semanas de negociação, em que o SNPVAC sempre esteve disponível para conversar e dialogar, a Ryanair não demonstre agora uma real intenção de salvaguardar os seus recursos humanos, nomeadamente os Tripulantes de Cabine”, pode-se ler no comunicado.

O SNPVAC diz que ao longo da última semana o SNPVAC alertou a Ryanair para a necessidade de se retomar as “negociações a fim de se redigir um documento satisfatório para todas as partes. Infelizmente a Empresa optou por outro caminho e reiniciar o processo de despedimentos Coletivos, assumindo uma postura de enorme falta de transparência”.

Recomendadas

ASF reaviva recomendações às seguradoras para o novo confinamento

A ASF volta também a ativar a recomendação às seguradoras para não distribuírem dividendos e para constituírem provisões em face do novo confinamento e do impacto económico do lockdown decretado. As medidas temporárias, como as moratórias, continuam em vigor.

Venda de ações reforça noção que a CTG vê a EDP como investimento financeiro, diz o BPI

A estatal chinesa lançou uma OPA sobre a totalidade da EDP em maio de 2018, mas desistiu após a alteração dos estatutos para acabar com o limite de votos de 25% por acionista ter sido chumbada. Desde essa altura, vendeu 1,8% em fevereiro de 2020, mas reforçou no aumento de capital em agosto.

PremiumEDP encerra hoje de vez central a carvão de Sines. Futuro pode passar pelo hidrogénio verde.

A EDP encerra hoje de vez a central a carvão de Sines e estuda as possibilidades para o futuro, que podem passar pelo hidrogénio verde. O Governo diz que o gás natural vai garantir a segurança do abastecimento.
Comentários