Sindicato do Ensino Superior apresenta queixa contra FCT na Provedoria de Justiça

O SNESup entregou esta terça-feira, 12 de maio, uma queixa contra a Fundação para a Ciência e Tecnologia que não prorrogou os prazos das candidaturas a projectos científicos, por decisão do Governo.

O Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) avançou esta terça-feira com uma queixa contra a Fundação para a Ciência e Tecnologia na Provedoria de Justiça por considerar que não foi cumprida a lei de emergência no que toca à suspensão dos prazos das candidaturas a projetos científicos, norma prevista pela Lei n.º 1A/2020.

No seguimento da petição que recolheu mais de 2.300 assinaturas na semana passada, o SNESup deu ainda conhecimento da queixa a todos os grupos parlamentares com assento na Assembleia da República.

O SNESup, liderado por Gonçalo Velho, diz que o argumento do ministro da Ciência, Manuel Heitor, para não estender os prazos passa pelo aumento do número de candidaturas. Lembra que no anterior concurso (2017) foram apresentados a candidatura 4.600 projetos, tendo sido recomendados para financiamento apenas 1.618. Mas, à data da decisão, o ministro informou que existiam sete mil projetos em preparação na plataforma, dos quais apenas tinham sido selados e lacrados cerca de mil.

Acontece que – denuncia o SNESup – “o aumento do número de candidaturas relaciona-se com a precariedade do sistema de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e ao baixíssimo nível de financiamento público no setor”.

A ciência tem desempenhado um papel fundamental durante a pandemia e o pós-Covid obriga, segundo o sindicato, “à necessidade de existir um reforço do financiamento público da Ciência, muito além da reorientação de fundos para um programa específico para o COVID-19, do qual irão beneficiar apenas algumas instituições”.

Em Portugal, o financiamento público para a Ciência é pouco mais do que 0,5% do PIB. O SNESup chama a atenção de que só com um aumento considerável deste valor e da contratação efetiva de investigadores, Portugal poderá enfrentar os desafios “que se tornam cada vez mais prementes neste século e nas atuais circuntâncias”.

Ler mais
Recomendadas

Ministro da Educação: “A nossa prioridade é voltar à escola”

No Parlamento, Tiago Brandão Rodrigues voltou a defender esta quarta-feira, que as escolas são locais seguros, mas não avançou data para o regresso. Revelou que nos testes a três mil alunos do secundário e funcionários antes da interrupção letiva nos concelhos de risco, foram detetados 25 casos de Covid-19.

Professores portugueses para escolas timorenses devem chegar em março

Os 108 professores juntam-se a outros 33 que já estão em Timor-Leste, destacados nos Centros de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE), um projeto luso-timorense para a requalificação do ensino timorense em língua portuguesa.

Alunos regressam esta segunda-feira ao ensino a distância

As escolas tanto públicas como privadas, alteraram alguns procedimentos e estão, no geral, mais bem preparados, mas os diretores e os sindicatos de professores admitem que os problemas estão longe de resolvidos. Computadores e dificuldades no acesso à internet na lista do que está em falta.
Comentários