Sindicato dos motoristas acusa Governo de colocar militares ao serviço dos “grandes grupos económicos”

O SIMM é um dos dois sindicatos que vão aderir à greve de 12 de agosto dos motoristas, e deixou críticas aos serviços mínimos estipulados pelo Governo.

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) acusa o Governo de usar os militares num conflito laboral de um setor económico privado.

O SIMM critica que os militares sejam usados para “furar uma greve de privados ao mesmo tempo que dizem não poder fazer nada num diferendo entre privados”.

O sindicato também critica que os militares sejam usados “para ir em socorro e defesa dos lucros dos grandes grupos económicos”.

Esta estrutura sindical é um dos dois sindicatos que vão aderir à greve de 12 de agosto dos motoristas, e deixou críticas aos serviços mínimos estipulados pelo Governo. “Serviços mínimos na ordem dos 75% equivale a um dia normal de trabalho e não a um dia de greve”.

Sobre a conferência de imprensa do Governo na quarta-feira, onde foram anunciados os serviços mínimos, o SIIM diz que o Executivo de António Costa “levou a cabo o maior ataque aos direitos dos trabalhadores pós 25 de Abril, um ataque directo a um direito consagrado na Constituição da República, o direito à greve. Numa clara demonstração de aliança ao poder económico em detrimento dos direitos dos cidadãos e dos trabalhadores, neste caso motorista”.

“Por opção do governo esta deixou de ser uma disputa laboral, o governo optou pela defesa dos ricos contra a classe trabalhadora, eles podem ser ricos, mas nós somos mais”, pode-se ler no comunicado.

“Os motoristas para além dos seus direitos laborais deverão lutar pela sua dignidade e honra do povo português, se ainda há neste país defensores do estado de direito que se juntem a nós, de forma civilizada iremos dar uma lição a estes senhores”, segundo o sindicato.

Ler mais
Relacionadas

Coletes Amarelos ameaçam com marcha lenta na ponte 25 de Abril no dia da greve dos motoristas

Numa publicação na rede social Facebook do movimento lê-se que o grupo não admite “mais aumentos no preço dos combustíveis” e exige “melhores condições de trabalho para os nossos bombeiros, vamos reforças a greve dos camionistas”.

Onde é que há combustível? Este mapa vai ser o seu melhor amigo durante a greve dos motoristas

Voluntários digitais voltaram a ativar a plataforma Já não dá para abastecer. A menos de 90 horas do início da greve dos motoristas, existe combustível em 99% dos postos de combustível em Portugal.

Aplicação Waze mostra onde estão os postos de combustível de emergência

A Waze juntou-se aos voluntários digitais da Vost para mostrar aos automobilistas qual a localização dos postos da rede REPA durante a greve dos motoristas.
Recomendadas

Danos reputacionais podem ser resolvidos pelo CIMPAS desde 1 de junho

Resolver litígios nos seguros em três meses é o objetivo do CIMPAS, o centro de arbitragem de seguros. Rute Santos, a diretora geral do organismo afirma que 70% dos conflitos ficam resolvidos. Os danos reputacionais podem ser alvo de reclamação no CIMPAS.

Negócio da nuvem cresce até 50% nas empresas de software

Empresários e gestores ligados às Tecnologias de Informação afirmam que já não há impedimentos à migração para ‘cloud’, tanto orçamentais, como de segurança.

PremiumFlixbus, a “Uber dos autocarros”, já tem 140 mil clientes em Portugal

A empresa só entrou em Portugal em 2017, mas já liga por autocarro mais de 20 cidades nacionais a mais de 50 destinos externos. Pablo Pastega quer a abertura do mercado de ‘Expressos’.
Comentários