Sindicato dos motoristas acusa Governo de colocar militares ao serviço dos “grandes grupos económicos”

O SIMM é um dos dois sindicatos que vão aderir à greve de 12 de agosto dos motoristas, e deixou críticas aos serviços mínimos estipulados pelo Governo.

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) acusa o Governo de usar os militares num conflito laboral de um setor económico privado.

O SIMM critica que os militares sejam usados para “furar uma greve de privados ao mesmo tempo que dizem não poder fazer nada num diferendo entre privados”.

O sindicato também critica que os militares sejam usados “para ir em socorro e defesa dos lucros dos grandes grupos económicos”.

Esta estrutura sindical é um dos dois sindicatos que vão aderir à greve de 12 de agosto dos motoristas, e deixou críticas aos serviços mínimos estipulados pelo Governo. “Serviços mínimos na ordem dos 75% equivale a um dia normal de trabalho e não a um dia de greve”.

Sobre a conferência de imprensa do Governo na quarta-feira, onde foram anunciados os serviços mínimos, o SIIM diz que o Executivo de António Costa “levou a cabo o maior ataque aos direitos dos trabalhadores pós 25 de Abril, um ataque directo a um direito consagrado na Constituição da República, o direito à greve. Numa clara demonstração de aliança ao poder económico em detrimento dos direitos dos cidadãos e dos trabalhadores, neste caso motorista”.

“Por opção do governo esta deixou de ser uma disputa laboral, o governo optou pela defesa dos ricos contra a classe trabalhadora, eles podem ser ricos, mas nós somos mais”, pode-se ler no comunicado.

“Os motoristas para além dos seus direitos laborais deverão lutar pela sua dignidade e honra do povo português, se ainda há neste país defensores do estado de direito que se juntem a nós, de forma civilizada iremos dar uma lição a estes senhores”, segundo o sindicato.

Ler mais
Relacionadas

Coletes Amarelos ameaçam com marcha lenta na ponte 25 de Abril no dia da greve dos motoristas

Numa publicação na rede social Facebook do movimento lê-se que o grupo não admite “mais aumentos no preço dos combustíveis” e exige “melhores condições de trabalho para os nossos bombeiros, vamos reforças a greve dos camionistas”.

Onde é que há combustível? Este mapa vai ser o seu melhor amigo durante a greve dos motoristas

Voluntários digitais voltaram a ativar a plataforma Já não dá para abastecer. A menos de 90 horas do início da greve dos motoristas, existe combustível em 99% dos postos de combustível em Portugal.

Aplicação Waze mostra onde estão os postos de combustível de emergência

A Waze juntou-se aos voluntários digitais da Vost para mostrar aos automobilistas qual a localização dos postos da rede REPA durante a greve dos motoristas.
Recomendadas

Matosinhos chama empreendedores do mar para “inverter ciclos negativos” da economia azul

O programa BluAct é apresentado esta segunda-feira em Matosinhos, cidade que representa Portugal a nível europeu. “Há cerca de 200 investigadores a trabalhar no centro tecnológico CIIMAR que, em muitos casos, têm ideias que não avançam por não terem estímulos suficientes”, disse António Correia Pinto, vereador do Ambiente da Câmara Municipal, ao Jornal Económico.

Luanda Leaks: Projeto de biocombustível entre Galp e Petrobras acumulou prejuízos milionários

Uma ‘joint venture’ da estatal brasileira Petrobras com a portuguesa Galp, para produção de biocombustível a partir de óleo de palma, acumulou prejuízos de centenas de milhões de reais sem produção efetiva, segundo uma investigação jornalística.

A elite de Davos continua a enriquecer

David Rubenstein duplicou a sua fortuna desde 2009. Jamie Dimon mais do que triplicou o património. E Stephen Schwarzman aumentou a sua riqueza seis vezes na última década.
Comentários