Sindicatos bancários alertam Banco Montepio de que não vão tolerar pressões aos trabalhadores

“O SNQTB, SBN e SIB irão analisar com detalhe o plano apresentado pelo presidente da Comissão Executiva do Banco Montepio e alertam que não irão tolerar qualquer forma de pressão junto dos trabalhadores para que aceitem reformas antecipadas ou rescisões por mútuo acordo, se essa não for a sua livre vontade”, pode ler-se no comunicado.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), o Sindicato Independente da Banca (SIB) e o Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) reuniram esta quarta-feira com o presidente da Comissão Executiva do Banco Montepio, Pedro Leitão, e após análise ao plano de reestruturação do banco, avisaram que não iriam tolerar pressões aos trabalhadores, considerando a reestruturação “muito preocupante”

A reunião, que contou com a presença de sindicatos, comissão de trabalhadores e comissão executiva da instituição bancária teve lugar após notícias que deram conta de que em cima da mesa está um plano de reestruturação que prevê a saída de 800 trabalhadores, cerca 20% do pessoal dos 3.560 que estavam a trabalhar no banco até ao fina de junho. O presidente do banco já confirmou que plano de ajustamento prevê a redução de oito centenas de funcionários no âmbito de um pedido de estatuto de empresa em reestruturação ao Governo que é feito por triénio, ou seja até 2022.

“O SNQTB, SBN e SIB irão analisar com detalhe o plano apresentado pelo presidente da Comissão Executiva do Banco Montepio e alertam que não irão tolerar qualquer forma de pressão junto dos trabalhadores para que aceitem reformas antecipadas ou rescisões por mútuo acordo, se essa não for a sua livre vontade”, pode ler-se no comunicado.

Estes sindicatos pretendem também conhecer a posição de Associação Mutualista sobre este tema: “A este propósito afirmam ainda desconhecer a posição da Associação Mutualista sobre este plano e importa saber se os colaboradores que estão cedidos pelo Banco à Associação Mutualista vão ser abrangidos por este processo”.

Relacionadas

Montepio confirma a sindicatos saída de 800 trabalhadores até 2022

Sindicatos dos bancários estão reunidos com administração do banco, depois de terem recebido ontem com surpresa a notícia de uma eventual dispensa de centenas de trabalhadores. Presidente executivo confirmou que plano de reestruturação prevê saída de 800 trabalhadores até 2022. Sindicatos dizem que “será algo de uma magnitude nunca vista na Europa”.

Sindicatos reúnem hoje com presidente do Montepio. Na agenda está saída de 800 trabalhadores

Sindicatos dos bancários receberam com surpresa a notícia de uma eventual dispensa de centenas de trabalhadores. E falam que “será algo de uma magnitude nunca vista na Europa”. Reúnem nesta quarta-feira, 23 de setembro, com a comissão executiva do Banco Montepio. Em cima da mesa está plano de reestruturação do banco que já será do conhecimento do Banco de Portugal.

SNQTB diz que possível redução dos trabalhadores do Montepio é de “magnitude nunca vista na Europa”

O presidente sindicalista, Paulo Marcos, disse que o sindicato recebeu, na semana passada, uma convocatória para uma reunião com a comissão executiva do Banco Montepio, que se realizará amanhã, antecipando que um dos pontos em agenda poderá ser a estruturação do banco.
Recomendadas

PremiumVenda do BNI Europa retomada

Processo de venda do BNI Europa ainda está numa fase inicial, mas já há interessados que sondaram o acionista angolano.

Novo Banco nega “divergências estratégicas” na administração

Na sequência de uma notícia publicada na semana passada pelo Jornal Económico, sobre a saída dos administradores Vítor Fernandes, José Eduardo Bettencourt e Jorge Cardoso, o jornal ‘Público’ avança hoje com uma notícia em que justifica essa decisão com a existência de “um profundo debate de ideias” no seio da administração liderada por António Ramalho, que foi reconduzido no cargo esta semana.

KPMG Portugal “refuta vigorosamente a condenação” da CMVM

A KPMG diz que a acusação “evidencia falhas graves da CMVM na aplicação da lei e na interpretação das normas de auditoria”.
Comentários