Sindicatos bancários aplaudem “papel responsável” da DGERT e dizem que negociação para 2019 com o BCP “não está fechada”

Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, Sindicato dos Bancários do Norte e Sindicato Independente da Banca asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.

Cristina Bernardo

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), o Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) e o Sindicato Independente da Banca (SIB) informou os seus associados de que, apesar de o Millennium bcp ter aceitado a proposta apresentada pela Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), a negociação para 2019 “vai continuar” e “não está fechada”.

Em comunicado assinado por assinado por Paulo Marcos (SNQTB), Mário Mourão (SBN) e Fernando Fonseca (SIB), as três estruturas sindicais reforçam a ideia de que mantêm a resiliência e asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.

“É manifestamente apressado e displicente pretender associar os aumentos de 2019 aos de 2018, especialmente, fazendo-o com a anuência daqueles que desistiram da luta ou a deram como perdida”, pode ler-se numa nota publicada esta sexta-feira, na qual os sindicatos bancários aproveitam para elogiar o “papel responsável, imparcial, moderador e muito importante” da DGERT.

Os três sindicatos recordam que o BCP sempre afirmou que não iria proceder a aumentos salariais ou atualizações das claúsulas de expressão pecuniária para 2018 e que, por conseguinte, foi convocada uma reunião geral de trabalhadores e uma manifestação a 22 de maio, no Taguspark. Mais tarde, SNQTB, SBN e SIB desencadearam o processo de conciliação junto do Ministério do Trabalho, através da DGERT.

Posteriormente, o banco criou um mecanismo de atribuição de prémios aos serviços centrais, mas o SNQTB, SBN e SIB lembram que, mesmo nesse período, o Millennium bcp se manteve “irredutível” perante os aumentos salariais. “Fundamentava a sua posição em razões de excecionalidade”. Perante a opinião de que esses fundamentos nunca foram evidenciados, os sindicatos requereram a passagem à fase seguinte da negociação (mediação) e uma audiência na Comissão Parlamentar do Trabalho.

Daqui a menos de duas semanas, a 27 de setembro, os três sindicatos irão reunir-se com a comissão executiva do Millennium bcp sobre a negociação para 2019. “Sem pressas, mas sem pausas, porque quero chegar bem longe”, dizem.

Ler mais
Relacionadas

Sindicatos dos bancários chegam a acordo com BCP sobre aumentos salariais

O SBSI e SBC chegaram ontem, dia 11 de setembro, a acordo com a administração do BCP sobre a revisão das tabelas de 2019 e o pagamento de retroativos relativos a 2018.

Sindicato dos Bancários do Norte avança com ação contra presidente do BCP

Em declarações hoje à agência Lusa, Mário Mourão considerou que o que o BCP fez foi uma manobra estratégica, quando estava a negociar com Sindicato dos Bancários do Norte, o Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários (SNQTB) e Sindicato Independente da Banca (SIB) ainda os aumentos de 2018.

SBN aceita proposta de mediação da DGERT para aumentos salariais de 2018 no BCP

O Sindicato dos Bancários do Norte apelou à intervenção Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) para mediar as conversas com o banco para ultrapassar o atual impasse. Mediadora da DGERT propõe agora, com efeitos a 1 de janeiro de 2018, uma atualização da tabela salarial entre 0,5% e 0,75%.
Recomendadas

Endividamento das empresas agravou 400 milhões de euros em agosto por causa do sector público

Dos 724 mil milhões de euros de dívida registada em agosto, 319,8 mil milhões de euros têm no setor público e 404,2 mil milhões de euros no setor privado, de acordo com uma nota de informação estatística do Banco de Portugal.
BCP

Sonangol não quer sair do BCP

Miguel Maya e Nuno Amado estiveram em Luanda na semana passada reunidos com Gaspar Martins, presidente do conselho de administração da Sonangol. A petrolífera estatal angolana reafirmou o interesse em permanecer como acionista de referência do banco.

PremiumCGD vende filial em Espanha acima do valor de mercado

A Caixa vendeu o Banco Caixa Geral ao Abanca com um múltiplo acima da média do mercado. O Price-to-Book Value inerente à transação foi de 0,74x acima da média na Ibéria que é de 0,57x.
Comentários