Sindicatos bancários aplaudem “papel responsável” da DGERT e dizem que negociação para 2019 com o BCP “não está fechada”

Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários, Sindicato dos Bancários do Norte e Sindicato Independente da Banca asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.

Cristina Bernardo

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), o Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) e o Sindicato Independente da Banca (SIB) informou os seus associados de que, apesar de o Millennium bcp ter aceitado a proposta apresentada pela Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), a negociação para 2019 “vai continuar” e “não está fechada”.

Em comunicado assinado por assinado por Paulo Marcos (SNQTB), Mário Mourão (SBN) e Fernando Fonseca (SIB), as três estruturas sindicais reforçam a ideia de que mantêm a resiliência e asseguram que não voltarão “a baixar os braços” porque pediram 2,38% de atualização de tabelas e cláusulas pecuniárias e o banco retorquiu com 0,6%.

“É manifestamente apressado e displicente pretender associar os aumentos de 2019 aos de 2018, especialmente, fazendo-o com a anuência daqueles que desistiram da luta ou a deram como perdida”, pode ler-se numa nota publicada esta sexta-feira, na qual os sindicatos bancários aproveitam para elogiar o “papel responsável, imparcial, moderador e muito importante” da DGERT.

Os três sindicatos recordam que o BCP sempre afirmou que não iria proceder a aumentos salariais ou atualizações das claúsulas de expressão pecuniária para 2018 e que, por conseguinte, foi convocada uma reunião geral de trabalhadores e uma manifestação a 22 de maio, no Taguspark. Mais tarde, SNQTB, SBN e SIB desencadearam o processo de conciliação junto do Ministério do Trabalho, através da DGERT.

Posteriormente, o banco criou um mecanismo de atribuição de prémios aos serviços centrais, mas o SNQTB, SBN e SIB lembram que, mesmo nesse período, o Millennium bcp se manteve “irredutível” perante os aumentos salariais. “Fundamentava a sua posição em razões de excecionalidade”. Perante a opinião de que esses fundamentos nunca foram evidenciados, os sindicatos requereram a passagem à fase seguinte da negociação (mediação) e uma audiência na Comissão Parlamentar do Trabalho.

Daqui a menos de duas semanas, a 27 de setembro, os três sindicatos irão reunir-se com a comissão executiva do Millennium bcp sobre a negociação para 2019. “Sem pressas, mas sem pausas, porque quero chegar bem longe”, dizem.

Ler mais
Relacionadas

Sindicatos dos bancários chegam a acordo com BCP sobre aumentos salariais

O SBSI e SBC chegaram ontem, dia 11 de setembro, a acordo com a administração do BCP sobre a revisão das tabelas de 2019 e o pagamento de retroativos relativos a 2018.

Sindicato dos Bancários do Norte avança com ação contra presidente do BCP

Em declarações hoje à agência Lusa, Mário Mourão considerou que o que o BCP fez foi uma manobra estratégica, quando estava a negociar com Sindicato dos Bancários do Norte, o Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários (SNQTB) e Sindicato Independente da Banca (SIB) ainda os aumentos de 2018.

SBN aceita proposta de mediação da DGERT para aumentos salariais de 2018 no BCP

O Sindicato dos Bancários do Norte apelou à intervenção Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) para mediar as conversas com o banco para ultrapassar o atual impasse. Mediadora da DGERT propõe agora, com efeitos a 1 de janeiro de 2018, uma atualização da tabela salarial entre 0,5% e 0,75%.
Recomendadas

BCP aceita acordo para reduzir dívida do Sporting mas falta o Novo Banco

O prazo para o entendimento entre a SAD e os bancos terminou esta semana, mas só o Millennium bcp deu ‘ok’ à reestruturação da dívida bancária.

Banco de Portugal adopta ‘energia verde’ nos seus edifícios

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição

BCE pede aos bancos que evitem “distorcer” resultados de testes de stress

A cada dois anos, a Autoridade Bancária Europeia e o BCE realizam os chamados testes de stress a 50 bancos da União Europeia para medir a força das entidades bancárias em diferentes cenários de stress, como uma crise, por exemplo.
Comentários