Sindicatos querem suspensão das rescisões por mútuo acordo no Santander

Mais Sindicato e o Sindicato dos Bancários do Centro já entraram em contacto com o Santander para apelar que o banco suspenda o processo de rescisões por mútuo acordo que tem em curso.

Os sindicatos bancários — o Mais Sindicato e o Sindicato dos Bancários do Centro (SBC) — querem que o Santander suspenda o processo de rescisões amigáveis que tem atualmente em curso.

Em comunicado, os dois sindicatos bancários “pedem ao Santander que suspenda o processo em curso de rescisões por mútuo acordo até os bancários terem condições para, em segurança, receberem aconselhamento e informação e, reunidos com as famílias, tomarem uma decisão esclarecida e refletida”.

Em outubro do ano passado, o Mais Sindicato revelou, em comunicado, que o banco liderado por Pedro Castro e Almeida iniciou um processo de rescisão por mútuo acordo.

Os dois sindicatos referem que já entraram em contacto com o Santander de forma a “sensibilizar e apelar ao banco para a suspensão do processo de rescisões por mútuo acordo já em curso”, especialmente num contexto de agravamento da pandemia de Covid-19 em Portugal.

“No atual momento é impossível a qualquer bancário possuir as condições adequadas que lhe permita munir-se das informações necessárias e do aconselhamento imprescindível para uma tomada de decisão informada e esclarecida”, frisam os dois sindicatos.

Recomendadas

Banco Português de Fomento recusa empréstimo de 30 milhões à Groundforce

Para a recusa do empréstimo, o BPF argumentou com a “ausência da aprovação e implementação efetiva por parte da administração da Groundforce, de um plano de reestruturação profundo, que adeque a estrutura de custos à nova realidade de receitas, e à recuperação lenta esperada para o setor da aviação comercial”.

BCI, Millennium Bim e Standard seguem como bancos importantes em Moçambique

No rácio que mede a importância para o setor, rotulada com a sigla inglesa D-SIB, o BCI encabeça a lista com 278 pontos, seguindo-se o Millennium Bim com 257 e o Standard Bank com 159.

ASF inclui elevada exposição a dívida portuguesa nas vulnerabilidades específicas do sector segurador nacional

O supervisor alerta para os “potenciais efeitos adversos”, em caso de alargamento dos spreads dos títulos soberanos nos mercados financeiros, em resultado da elevada concentração patenteada pelas carteiras dos operadores nacionais aos três emitentes soberanos: Portugal, Espanha e Itália.
Comentários