Sindicatos reúnem hoje com presidente do Montepio. Na agenda está saída de 800 trabalhadores

Sindicatos dos bancários receberam com surpresa a notícia de uma eventual dispensa de centenas de trabalhadores. E falam que “será algo de uma magnitude nunca vista na Europa”. Reúnem nesta quarta-feira, 23 de setembro, com a comissão executiva do Banco Montepio. Em cima da mesa está plano de reestruturação do banco que já será do conhecimento do Banco de Portugal.

Os sindicatos dos bancários e a comissão de trabalhadores do Banco Montepio reúnem nesta quarta-feira, 23 de setembro, com a comissão executiva da instituição financeira liderada por Pedro Leitão, após notícias que deram conta de que em cima da mesa está um plano de reestruturação que prevê a saída de 800 trabalhadores, cerca 20% do pessoal, com um custo estimado de 80 milhões para o banco.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), o Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) e o Sindicato Independente da Banca (SIB) deram conta do encontro depois de o jornal ECO ter noticiado ontem que o Banco Montepio está a estudar redução da sua dimensão e prepara-se para pedir ao Governo a adesão um regime que facilita rescisões por mútuo acordo.

“O SNQTB, SBN, SIB e, tanto quanto julgamos saber, os restantes sindicatos, bem como a comissão de trabalhadores, foram convocados para uma reunião que terá lugar amanhã [23 de setembro], por meios telemáticos, com o presidente da comissão executiva do Banco Montepio, Pedro Leitão”, avançaram os sindicatos nesta terça-feira, 22 de setembro, deixando a nota da sua “estranheza face às notícias vindas a público, através da comunicação social, tendo em conta os valores humanistas da Associação Mutualista”.

“Reiteramos o compromisso com os nossos associados do Montepio de que não transigiremos na defesa dos seus direitos e, assim que haja informação relevante, disso daremos nota”, realçaram aqueles sindicatos, tendo o presidente do SNQTB afirmado à TSF que a saída de 800 trabalhadores do Montepio “será algo de uma magnitude nunca vista na Europa”.

Paulo Marcos sublinha que na semana passada receberam uma convocatória para uma reunião a realizar esta quarta-feira, 23 de setembro, com a comissão executiva do Montepio. “Imagine que nos vá contar alguma coisa mas [a notícia] ter surgido desta maneira é absolutamente lamentável”, afirma o presidente do SNQTB. Para Paulo Marcos, em vez de dispensar funcionários, o banco devia começar a questionar a quem dá créditos que causam prejuízo, considerando que é preciso perceber quem são os beneficiários efetivos desses créditos, pois ” uma só perda de um grande devedor é equivalente a vários anos de salários de todos os trabalhadores”.

Segundo o ECO, o Banco Montepio prepara-se para pedir ao Governo o estatuto de empresa em reestruturação. Com o recurso a esta medida excecional que está prevista na lei laboral, o banco da mutualista abre a porta a uma redução significativa de pessoal. Em causa está um pedido ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS) do estatuto de empresa em reestruturação através do qual a instituição financeira procura flexibilizar a quota de que dispõe (em função da sua dimensão) para acordos com trabalhadores com vista a uma rescisão amigável, mantendo estes o direito ao subsídio de desemprego.

Ao ECO, o presidente do conselho de administração e o presidente da comissão executiva do Banco Montepio, Carlos Tavares e Pedro Leitão, respetivamente, responderam apenas que o banco que “está a ajustar processos e a estudar a sua dimensão, tal como foi partilhado com os colaboradores e as respetivas estruturas. Mas outras fontes asseguraram ao ECO que a administração do Banco Montepio já informou o Banco de Portugal deste plano de reestruturação.

Sindicatos preocupados com reduções de trabalhadores

Também o Mais Sindicato (ex-SBSI) e o Sindicato dos Bancários do Centro (SBC) acompanham a situação no setor, nomeadamente no Montepio e no Novo Banco – e, dizem, “não aceitam que a adaptação da banca seja conseguida apenas à custa do fator trabalho”.

“As muitas notícias vindas a público sobre a intenção de redução de quadros de pessoal no setor bancário têm deixado os Sindicatos preocupados, levando-os a agir na defesa dos postos de trabalho”, realçam em comunicado, dando conta de que não admitem que a adaptação das empresas, embora por vezes necessária para garantir a sua sustentabilidade, seja feita apenas à custa do fator trabalho.

“Os lucros da banca ao longo dos anos foram assegurados pelos seus trabalhadores, pelo que jamais admitirão que estes sejam os primeiros a serem penalizados”, acrescentam, sinalizando que não deixam de acompanhar cada caso concreto, obtendo esclarecimentos de qualquer empresa que implemente estratégias de redução dos seus efetivos.

“Estão a fazê-lo no Montepio Geral, como foi comunicado aos sócios, aguardando até final de setembro nova reunião com administração para obter informação destelhada sobre as suas pretensões”, concluem, manifestando ainda apreensão quanto a eventual redução de postos de trabalho no Novo Banco, onde, dizem, querem conhecer o plano que eventualmente a instituição pretenda implementar. “Nesse sentido, foi já solicitada à administração do Novo Banco uma reunião com caráter de urgência, aguardando-se a qualquer momento a sua realização”, rematam.

Ler mais
Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários