Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.

Harry Murphy/Web Summit

Pedro Siza Vieira deixou entreaberta a abertura dos estádios de futebol aos adeptos na próxima época, realçando a importância de que as competições decorram em segurança ao invés de ter uma solução que possa colocar em causa o alastrar da pandemia da Covid-19.

O ministro de Estado, da Economia e Transição Digital prestou declarações aos jornalistas à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência.

“Esse é um processo que está dependente da evolução das condições sanitárias. Estamos focados em dar passos seguros que permitam controlar o contágio e de forma a que o sistema de saúde esteja sempre à altura de poder dar uma resposta eficaz”, disse.

A indústria do futebol profissional em Portugal registou um contributo total de 549 milhões de euros para o Produto Interno Bruto (PIB) português na época desportiva 2018-19, indica a nova edição do ‘Anuário do Futebol Profissional Português, uma parceria entre a Liga Portugal e a consultora EY, sendo apresentado esta quarta-feira, 5 de agosto, em Oeiras, na conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’.

Relacionadas

Futebol português contribuiu com 549 milhões para o PIB antes da pandemia

Números fazem parte da nova edição ‘Anuário do Futebol Profissional Português’, realizado em parceria entre a Liga Portugal e a EY e cuja apresentação acontece esta quarta-feira na conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’.

Desafios centralizados

O impacto e a forma como hoje a nossa atividade interage com a economia portuguesa, bem demonstrada nos dados do anuário que hoje lançamos, reforça a nossa já assumida ambição de que a indústria do Futebol passe a estar também sob a alçada do Ministro da Economia, numa dupla tutela com Ministério de Educação e a Secretaria de Estado da Juventude do Desporto.
Recomendadas

‘Naming rights’ dos estádios: Quanto vale a ‘alma’ de um clube em tempos de pandemia?

Os ‘naming rights’ dos estádios são fonte de receita que, nas últimas duas décadas, tem ganho notoriedade pela facilidade teórica que uma colaboração deste género oferece, ou seja, o clube acaba por não ter gastos com o negócio e consegue manter a autoridade sobre o respetivo recinto desportivo. Ainda assim, o nome do estádio está muitas vezes associado a uma mística que se mistura com a história de cada clube.

Santa Clara – Gil Vicente vai ser o primeiro jogo da I Liga com público no estádio

O jogo Santa Clara – Gil Vicente, da terceira jornada da I Liga de futebol, vai ter uma assistência de 1.000 pessoas, sendo o primeiro jogo profissional da época a ter público no estádio devido às restrições da Covid-19.

“À beira do colapso”. Liga italiana perde 500 milhões de euros em bilheteira devido à pandemia

A venda de bilhetes representa 11% da receita anual da liga, que está fixada nos 2,5 mil milhões de euros por ano, sendo que a grande maioria corresponde aos direitos televisivos.
Comentários