SkiCity comprova o sucesso da habitação nova de ‘luxo acessível’

As 49 moradias isoladas e as 66 moradias em banda foram vendidas quase de imediato no lançamento do projeto promovido pelo JPS Group. Os 255 apartamentos, estão praticamente todos reservados e vendidos.

Quando foi apresentado, há cerca de dois anos, o projecto SkyCity, localizado na designada serra de Carnaxide, trouxe um novo impulso à habitação nova que estava praticamente estagnada. A reabilitação urbana e os projetos no centro de Lisboa para os investidores estrangeiros dominavam o mercado mas João Sousa, CEO do JPS Group, sentiu a necessidade da população portuguesa de habitação nova de qualidade.

De facto, a sua visão estava correta e depressa se verificou que existia falta de empreendimentos construídos de raiz. De tal forma, que desde o lançamento, as vendas dispararam e o SkiCity tornou-se uma referência na Área Metropolitana de Lisboa. Vender em planta, algo já quase extinto no nosso mercado, voltou a ser uma realidade e este projeto comprovou-o.  “Julgo que a razão do nosso sucesso se prende com uma estratégia inovadora da empresa: preços altamente competitivos e um conceito de ‘luxo acessível’ que foi muito bem recebido pelas famílias portuguesas”, esclarece o responsável.

Depois de uma espera mais longa do que o previsto dos licenciamentos, as obras arrancaram e João Sousa, revela que já se encontram moradias concluídas, outras em construção, existem prédios em edificação e em breve outros irão se iniciar. “Está a avançar rapidamente e já se começa a perceber o quão fantástico vai ficar”, admite.

“As 49 moradias isoladas e as 66 moradias em banda foram vendidas quase de imediato no lançamento. Quanto aos 255 apartamentos, estão praticamente todos reservados e vendidos, sendo que vamos em breve lançar os do lote central do empreendimento, para os quais já temos clientes em lista de espera, ainda sem os termos colocado em comercialização”, explica. O CEO adianta ainda que entre o dia 3 e o dia 15 deste mês de Março, iniciaram a venda privada dos espaços comerciais para os clientes SkyCity, e a partir do dia 15, foram lançadas as restantes, para os clientes em geral. “Estes espaços comerciais estão também a ser um sucesso de vendas. Só no primeiro dia de lançamento, vendemos três das 24 unidades disponíveis. E, estamos agora com várias reservas a serem fechadas”, adianta.

Dirigido aos portugueses, a procura tem cumprido com o objectivo. João Sousa, revela que os compradores são na sua maioria clientes nacionais, embora também tenham estrangeiros. “Temos um pouco de tudo, mas muitos casais jovens, classe média e média alta, que querem viver num condomínio que lhes proporcione elevados padrões de qualidade e bem-estar, por um preço acessível. Também temos investidores a comprar devido ao retorno que o SkyCity já está a proporcionar e que será ainda maior se pretenderem revender no fim da obra, ou arrendar”, acrescenta.

Os preços têm vindo a sofrer alterações desde o lançamento mas continuam acessíveis, com apartamentos a partir dos 2200 euros/m2, “o que é um preço muito baixo para o que está a ser praticado no mercado, e mais ainda quando falamos de um projeto com o nível de qualidade do SkyCity , com uma localização excelente, pertíssimo do centro de Lisboa, e em plena Serra de Carnaxide, onde grande parte dos apartamentos dispõe de uma fantástica vista sobre a cidade e o rio”, refere.

Entre setembro e dezembro de 2018, tiveram cerca de 3000 contactos de clientes a pedir informações sobre os projetos do grupo.

Na realidade, João Sousa refere que este mercado está cada vez mais apetecível para os investidores. “Muitos promotores que só estavam direcionados para o mercado de luxo, começam agora a querer entrar nesta corrida. Sendo que com o aumento de preços, quer dos terrenos, quer do preço de construção, não vai ser fácil fazer muitos outros projetos como o SkyCity”.

O responsável admite mesmo que no futuro haverá uma certa tendência a surgirem projetos em zonas que até à data não eram consideradas pelos portugueses.

Ler mais
Recomendadas

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

PremiumA mesma taxa de esforço, numa casa três vezes maior

No Barreiro, uma família com rendimentos médios de 1.411 euros e uma taxa de esforço de 33% consegue comprar uma casa de 155 m2. Em Lisboa, com rendimentos médios de 1.733 euros e a mesma taxa de esforço, é possível comprar uma casa de 50 m2.

Isabel dos Santos compra mansão em Londres no valor de 14 milhões de euros

A residência fica na zona de Kensington uma das mais luxuosas da capital inglesa. Contudo, o negócio está a gerar polémica entre os vizinhos, já que Isabel dos Santos pretende demolir e reconstruir a casa com um piso adicional subterrâneo.
Comentários