SNESup: “Tribunal de Contas é um órgão que divulga pareceres e não se pode sobrepor aos tribunais”

Sindicato Nacional do Ensino Superior reage a relatório, salientando que “as demais instâncias judiciais já decidiram que os docentes e investigadores não são obrigados a entregar as declarações de IRS para comprovar que não violam o regime de exclusividade”.

Gonçalo Leite Velho

“Os docentes e investigadores mostram-se surpreendidos com as notícias relativas ao relatório de auditoria do Tribunal de Contas. Existe também um sentimento de revolta perante notícias que lançam a ideia de uma violação continuada do regime de exclusividade, que é completamente falsa”. Foi desta forma que o Sindicato Nacional do Ensino Superior (SNESup) reagiu, esta quinta-feira, ao relatório do Tribunal de Contas sobre o sistema de controlo do regime de dedicação exclusiva de docentes pelas Instituições de Ensino Superior (IES), divulgado quarta-feira à noite.

O Tribunal de Contas alerta para falhas no controlo do regime de exclusividade de professores no ensino superior, o que acentua “os riscos de ocorrência de irregularidades”, com prejuízo para o erário público se não forem detetadas e corrigidas atempadamente.

O SNESup desdramatiza, esclarecendo que o próprio relatório dá conta que “a esmagadora maioria dos 14 mil docentes em exclusividade cumprem com as normas”. E que nos mais de dez anos de controlo e fiscalização, “o número total de casos que não cumprem com as regras de exclusividade não chegará às centenas”.

Segundo o sindicato, “o relatório é claro em afirmar que as instituições implementaram o controlo, as fragilidades têm vindo a ser corrigidas e em geral o regime foi observado”.

O problema que incomoda o Tribunal de Contas – diz o SNESup – “reside apenas na sua procura de impor a entrega de declarações de IRS, um mecanismo cujas diretivas comunitárias já declararam ser ilegal e incorreto”. E lembra que as “declarações contêm diversas informações que envolvem terceiros (cônjuges e filhos)”, não se compreendendo “a insistência num método desatualizado, quando há outros mecanismos que podem ser implementados, tal como já foi referido por outras instâncias”.

A estrutura presidida por Gonçalo Leite Velho lembra que “o Tribunal de Contas é um órgão que divulga pareceres e não se pode sobrepor aos tribunais, “sendo que as demais instâncias judiciais já decidiram que os docentes e investigadores não são obrigados a entregar as declarações de IRS para comprovar que não violam o regime de exclusividade”.

No comunicado enviado às redações, o SNESup estranha ainda que o Tribunal de Contas “mantenha tamanha obsessão com a vida privada individual, apesar das poucas situações de incumprimento, mas continue sem tratar da criação pelas universidades de centenas de entidades paralelas, as quais não prestam contas e são um completo buraco negro institucional”. Recorda que por estas associações passam vários milhões de euros e são responsáveis por um regime de precarização e ‘outsourcing’ laboral, tendo já apresentado a situação ao Tribunal de Contas, mas sem se conhecerem desenvolvimentos.

Parece que estamos a regressar à época em que o Tribunal de Contas se ocupa mais em denegrir profissionais de saúde, professores e demais servidores públicos, do que em encontrar soluções, salienta Gonçalo Leite Velho.

Ler mais
Relacionadas

Tribunal de Contas alerta para falhas no controlo do regime de exclusividade de professores no ensino superior

O regime de dedicação exclusiva abrange cerca de 14 mil docentes, mais de 50% do total de docentes, em cerca de 200 instituições.
Recomendadas

Espanha regista 3,8 milhões de desempregados em junho

No mês em análise mais de cinco mil pessoas ficaram desempregadas. Ainda assim, os números do desemprego continuam em queda, quando comparado com os 300 mil desempregados verificados nos primeiros dois meses da pandemia.

Desemprego sobe em maio na zona euro e União Europeia

A taxa de desemprego subiu, em maio, para os 7,4% na zona euro e na 6,7% na União Europeia (UE), um mês ainda marcado pelas medidas de confinamento devido à pandemia da Covid-19, segundo o Eurostat.

Provedora pede declaração de incapacidade imediata para doentes oncológicos

Maria Lúcia Amaral sugere que no caso dos doentes oncológicos esta declaração imediata de incapacidade de 60% tenha validade de cinco anos ou até à realização da junta médica, se esta ocorrer antes.
Comentários