SNMMP junta-se à Fectrans e Antram e assina acordo para contrato coletivo de trabalho dos motoristas

Só falta o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias apreciar o acordo para o novo contrato coletivo de trabalho dos motoristas de pesados de mercadorias, mas tal só acontecerá no fim de semana, quando a estrutura sindical tiver realizado um plenário para discutir o acordo final.

pardal henriques
Pedro Antunes/Lusa

Depois do texto final que vai constar do Contrato Coletivo de Trabalho Vertical (CCTV) dos motoristas ter sido apreciado, aceite e assinado pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores das Empresas de Transporte (Fectrans) e pela Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram), também o Sindicato nacional de Motoristas de Matérias Perigososas (SNMMP) vai assinar o acordo, avança o jornal “Público” esta terça-feira, 15 de outubro.

O mesmo documento será assinado pelo SNMMP, o mesmo organismo sindical que liderado por Pedro Pardal Henriques e Francisco São Bento paralisou a distribuição de combustíveis por duas vezes em 2019.

Citado pelo “Público”, o vice-presidente e porta-voz do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, confirmou que também o seu sindicato vai assinar o  acordo com a Antram, para quem tal consenso só foi alcançado “graças à luta dos motoristas, ao contrário dos 1,6% de aumento que inicialmente a Fectrans pedia”.

O CCTV prevê uma atualização em 11,1% da tabela salarial para os motoristas de pesados, bem como “as principais cláusulas pecuniárias” em pelo menos 4%. De acordo com a Fectrans, citada pelo matutino, “O resultado da negociação traduz-se num CCTV com nova estrutura, que contém uma parte geral e que autonomiza os capítulos referentes ao transporte nacional, outro ao internacional/ibérico e outro sobre as matérias perigosas”, visto que ficaram resolvidos vários pontos que opunham transportadoras e motoristas, entre os quais a definição de limites nos tempos de trabalho.

O entrada do SNMMP neste acordo tem relevância, tendo em conta que este sindicato protagonizou duas greves dos motoristas de matérias perigosas. A primeira paralisação foi em abril deste ano e a segunda ocorreu durante a época de verão, durante sete dias consecutivos no mês de agosto.

A greve dos motoristas de matérias perigosas levou mesmo o Governo a adotar medidas excecionais para assegurar o abastecimento de combustível em todo o país. A postura do SNMMP levou mesmo à entrada de um pedido de dissolução do sindicato no Ministério Público.

O Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM), que chegou a associar-se à greve de agosto, também vai apreciar o acordo para o novo CCTV, mas tal só acontecerá no fim de semana, quando a estrutura sindical tem marcado um plenário para discutir o acordo final.

Ler mais
Recomendadas

Efeitos da pandemia da Covid-19 leva vendas da Henkel a cair 6%, para 9,5 mil milhões de euros no primeiro semestre de 2020

O lucro antes de juros e imposto sobre os rendimentos (EBIT), ou lucro operacional ajustado, fixou-se nos 1.191 milhões de euros entre janeiro e junho, o que se traduz num tombo de 27,5% face a igual período de 2019. A margem EBIT ajustada foi de 12,6%.

Coca-Cola regista perdas de 48% no mercado ibérico no segundo trimestre

A empresa de bebidas teve uma receita de 338 milhões de euros na sua divisão ibérica que engloba os territórios de Espanha, Portugal e Andorra. A faturação foi de 917 milhões, menos 28,5% do que o verificado no primeiro semestre do ano passado.

Porto de Leixões investe 13,5 milhões de euros em rebocadores de 70 toneladas de força de tração

Estes novos rebocadores vão substituir outros dois com mais de 40 anos e estão em linha com a estratégia de descarbonização que a administração portuária tem vindo a desenvolver nos portos sob sua jurisdição.
Comentários