SNQTB na assembleia do BCP para defender rapidez na devolução das retribuições aos trabalhadores

Entre os vários pontos da ordem de trabalhos da AG do BCP de hoje, o SNQTB irá votar a favor da proposta de aplicação de resultados do exercício de 2019 e na qual está prevista a devolução das retribuições retidas aos trabalhadores.

Cristina Bernardo

“Estaremos presentes e iremos pronunciar-nos como sempre temos feito, com o sentido de voto que tem em consideração a defesa dos direitos dos nossos associados, trabalhadores e reformados dos Millennium bcp. É nosso dever manifestarmo-nos em concordância com esse compromisso”, anunciou o presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos e Bancários (SNQTB).

A assembleia-geral de acionistas do BCP realiza-se hoje, dia 20 de maio, às 14h30, por meios à distância.

Entre os vários pontos da ordem de trabalhos, o SNQTB irá votar a favor da proposta de aplicação de resultados do exercício de 2019 e na qual está prevista a devolução das retribuições retidas aos trabalhadores.

O banco anunciou que vai compensar os trabalhadores com 5,3 milhões de euros pelos cortes salariais entre 2014 e 2017.

Assim, vai pagar até 1.000 euros aos trabalhadores que não foram já integralmente compensados com os resultados distribuídos em 2019. O banco tem 5,28 milhões de euros para dar aos colaboradores.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) irá marcar presença esta tarde na Assembleia Geral Anual de Acionistas do Millennium bcp, em representação dos seus associados, refere a instituição liderada por Paulo Gonçalves Marcos.

“A devolução das retribuições retidas é uma das nossas principais preocupações, mas mantemos o princípio que sempre defendemos: a devolução deve ser feita no mais curto período de tempo e pelo valor global retido. Como temos vindo a afirmar, a devolução das retribuições retidas aos trabalhadores, aquando do processo de reestruturação do Banco, deveria ter sido feita na mesma forma em que foi feita a retenção: de uma só vez”, defende o presidente do SNQTB.

O sindicato irá ainda votar a favor da eleição da mesa da assembleia geral para o quadriénio 2020/2023, no entanto considera que com a eleição de dois elementos da mesma sociedade de advogados o banco irá perder uma oportunidade de introduzir maior diversidade na representação deste órgão.

No que respeita ao ponto relativo ao relatório de gestão, balanço e contas individuais e consolidadas, relativos ao exercício de 2019, incluindo o Relatório do Governo Societário, o mesmo sindicato irá votar contra, por considerar que a negociação coletiva referente a 2019 não está concluída, uma vez que não feita a atualização das tabelas de diuturnidades. “Tendo por base esta consideração, o SNQTB também irá votar contra o ponto referente à apreciação geral da administração e da fiscalização do Sociedade”, defende a estrutura sindical.

O banco liderado por Miguel Maya cancelou a distribuição de dividendos devido ao impacto económico da pandemia do Covid-19, mas quer retomar a distribuição acionista quando for ultrapassada a crise.

A AG tem seis pontos na ordem de trabalhos: aprovação das contas de 2019 (lucros consolidados de 302 milhões de euros), aplicação de resultados, apreciação da administração, política de remuneração dos órgãos sociais, aquisição e alienação de ações próprias e eleição da mesa da assembleia-geral (2020/2023).

Na proposta relativa à aplicação de resultados, o conselho de administração do banco indica que haverá o pagamento da compensação salarial aos trabalhadores (no valor total 5,281 milhões de euros), para compensação parcial dos cortes que sofreram entre junho de 2014 e junho de 2017, mas que não haverá distribuição de dividendos, tal como já tinha anunciado.

Desde modo, dos resultados retidos, a administração do BCP vai propor que 14,9 milhões de euros sejam transferidos para reserva legal do banco, enquanto um mínimo de 120 milhões sejam resultados transitados.

Vai ainda ser levado à votação o ponto relativo à política de remuneração dos Membros dos Órgãos de Administração e de Fiscalização.

Relacionadas

BCP sem exposição à TAP

“O BCP hoje não tem praticamente exposição aos setores dos transportes aéreos”, esclareceu Miguel Maya na apresentação de resultados do primeiro-trimestre.

BCP com mais de 12 mil linhas de crédito Covid-19 e mais de 100 mil moratórias aprovadas

Miguel Maya defende extensão de moratórias variável por sectores. Mas no mínimo até ao fim do ano. Os canais digitais tiveram um forte crescimento durante o Estado de Emergência. As moratórias foram maioritariamente solicitadas pelos canais digitais.

Lucros do BCP caem 77,1% para 35,5 milhões no primeiro trimestre. Provisões somam 78,8 milhões

Sem o impacto das provisões, os lucros do BCP teriam caído 32,3% para 104 milhões de euros.
Recomendadas

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.
Comentários