Só 10% dos profissionais ligados ao investimento recorrem a Inteligência Artificial

O recurso a esta tecnologia e a aplicações de ‘Big Data’ está a aumentar mas ainda não é utilizada por uma percentagem significativa de profissionais de empresas de investimento, segundo um estudo da associação norte-americana CFA Institute.

Fabrizio Bensch/Reuters

As empresas de investimento que recorram às novas tecnologia de recolha e análise de dados (Big Data) e Inteligência Artificial (IA) terão uma maior probabilidade de serem bem-sucedidas no futuro, de acordo com um estudo da Chartered Financial Analyst (CFA). No entanto, os investigadores do CFA Institute concluíram que a utilização da IA ainda não é muito explorada pelos profissionais ligados ao investimento. Só 10% a nível global recorrem a estas ‘ferramentas’ tecnológicas.

A utilização futura da IA e da Big Data vai permitir às empresas transformar a maneira como são tratadas algumas tarefas, nomeadamente o processamento de linguagem natural (PLA), a visão computorizada e o reconhecimento de voz para processar dados texto, imagem e áudio, na opinião destes especialistas.

O mesmo documento, divulgado esta sexta-feira pela associação de profissionais de investimento locais CFA Society Portugal, o uso de machine learning vai permitir a incorporação de técnicas para melhorar a eficácia dos atuais algoritmos usados em processos de investimento e o uso de técnicas de IA para processar grandes dados vai revolucionar a maneira como as empresas elaboram os chamados “insights de investimento”.

Em relação às empresas tecnológicas do setor financeiro (fintech), a CFA alerta que para se obter este “rótulo”, as empresas terão de ultrapassar alguns obstáculos como “falta de tempo, visão de liderança, talento, custo e recurso à tecnologia”. A organização acrescenta ainda só derrubando estas barreiras será possível “constituir equipas em forma de T (que combinam expertise de investimento, inovação e aplicação de tecnologia através de estratégias ou processos de investimento)”.

O programa CFA é responsável por atribuir uma qualificação profissional de pós-graduação internacional a profissionais de investimentos e financeiro. Atualmente, existem mais de 165 mil detentores da mesma em todo o mundo.

Recomendadas

Carlyle avalia venda de posição na portuguesa Logoplaste

De acordo com a agência, o grupo já contactou o Barclays Plc e o Goldman Sachs para se aconselhar sobre o negócio.

Novo Banco: GamaLife, antiga GNB Vida, recusa “qualquer relação” com Lindberg

Previamente conhecida como GNB Vida, a GamaLife garante não ter qualquer relação com Lindberg e adianta ainda que “o envolvimento da Apax Partners na aquisição da GamaLife só começou após os problemas amplamente divulgados do Sr. Lindberg, quando já era bastante evidente que ele não seria capaz de completar esta transação“.

Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.
Comentários