PremiumSobre o eterno amor entre os argentinos e o peronismo

A aventura ‘modernista’ de Mauricio Macri parece ter os dias contados. Mas a vizinhança liberal está a fazer tudo para reverter as primárias.

Bem antes de a palavra ‘populismo’ ter entrado no léxico corrente do discurso político ocidental, o casal argentino Eva e Juan Peron (que chegou ao poder em 1946 e aparentemente nunca mais de lá saiu) ensaiou na prática aquilo que em teoria ainda não está totalmente definido. Misturando política, intimidade, lágrimas, economia e uma forma ao mesmo tempo complexa mas razoavelmente bem sucedida de justiça social redistributiva – sem nunca ter impedido que o capital internacional se remunerasse principescamente no interior das fronteiras – o peronismo foi, no quadro histórico dificilmente repetível em que sucedeu, a quadratura do círculo por que os argentinos se apaixonaram para sempre.

Não é por isso de admirar que essa espécie de paternalismo elevado à condição de regime político exerça uma inexplicável (porque nunca repetida em qualquer outra parte do mundo) atração sobre os argentinos, que sazonalmente voltam a lançar-se nos seus braços, como só se faz aos amores antigos – por muito que entretanto eles e as suas circunstâncias tenham irreversivelmente mudado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumExcedentes na mira de todos os partidos na próxima legislatura

Ninguém se compromete com alterações nas metas orçamentais até 2023. Cenário macroeconómico do Programa de Estabilidade tem servido de base aos cálculos na generalidade dos programas.

PremiumEx-gestores da CGD avaliam ação em tribunal contra EY

Faria de Oliveira, Francisco Bandeira e Jorge Tomé avaliam ação judicial contra EY, após CMVM ter recusado analisar queixa de ex-gestores da CGD.

PremiumSondagem revela que saúde e reformas são mais importantes que baixar o IRS

Destino que os portugueses querem dar aos excedentes orçamentais previstos nos próximos anos difere das políticas do PSD e do CDS-PP. Maior despesa com a saúde e apoios superam redução da carga fiscal para a classe média e diminuição da dívida.
Comentários