Sobreviventes de Auschwitz regressam ao campo da morte 75 anos depois para impedir que o mundo esqueça

“Voltei para não esquecer nenhum detalhe do que aconteceu comigo, para manter as lembranças vivas e impedir que o mundo adquira amnésia”, disse o sobrevivente Benjamin Lesser que chegou ao campo de concentração quando tinha 16 anos.

Auschwitz

Foi no dia 27 de janeiro de 1945 que os soldados do exército vermelho russo libertaram o campo de concentração nazi de Auschwitz Hoje, 75 anos depois da libertação, cerca de 200 sobreviventes reúnem-se no antigo campo para recordar o dia da libertação de Auschwitz.

No campo de Auschwitz foram assassinadas 1,1 milhões de pessoas, sendo a maioria judeus.

Na chegada ao campo de concentração nazi situado na Polónia, os sobreviventes recordaram as duras lembranças dos tempos do holocausto e do regime nazi de Adolf Hitler, conta o The Guardian.

Durante a visita, Benjamin Lesser, judeu polaco de 92 anos cuja família foi enviada para o campo em 1944, sublinhou que “o holocausto foi patrocinado e aprovado pelo governo. Eles não permitiram simplesmente que isso acontecesse, aplicaram-no e incentivaram pessoas comuns a tornarem-se assassinos”.

“Voltei para não esquecer nenhum detalhe do que aconteceu comigo, para manter as lembranças vivas e impedir que o mundo adquira amnésia”, acrescentou o sobrevivente que chegou ao campo de concentração quando tinha 16 anos. Lesser admitiu a importância de relembrar o acontecimento que chocou o mundo devido à preocupação generalizada com o aumento dos ataques terroristas na Europa e América do Norte.

O presidente do Congresso Judaico Mundial, Ronald Lauder, responsável pelo financiamento que permitiu o regresso de mais de 100 sobreviventes ao local onde foram presos, assumiu que “o ênfase está nos sobreviventes e não nos líderes políticos” que visitam o espaço. “Provavelmente não haverá outro grande aniversário [com sobreviventes] pois já perdemos muitos deles”, sublinhou o presidente.

Atualmente, os sobreviventes têm entre 75 e 101 anos, sendo que a sobrevivente mais nova nasceu ainda no campo. Os sobreviventes que estarão presentes na celebração viajaram para Auschwitz de quase todo o mundo, sendo muitos que os principais são provenientes da América do Norte, Europa, Israel, América do Sul e Central e Austrália.

Ler mais
Relacionadas

Papa sublinha que é dever lembrar o Holocausto e inadmissível a indiferença

O papa Francisco afirmou hoje que é um dever lembrar o Holocausto, considerando inadmissível a indiferença, ao recordar os 75 anos da libertação das pessoas detidas no campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau, na Polónia.

Diplomatas portugueses salvaram entre 60 mil a 80 mil vidas durante a segunda guerra mundial

Entre 60 mil a 80 mil refugiados do regime nazi, maioritariamente judeus, terão sido salvos pela intervenção de diplomatas portugueses durante o período da II Guerra Mundial, estimou a historiadora Irene Flunser Pimentel em entrevista à agência Lusa.

Merkel visita Auschwitz pela primeira vez num “sinal de reconciliação”

A chanceler alemã, Angela Merkel, visita hoje pela primeira vez o campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau num “sinal de reconciliação com os judeus e o estado de Israel”, considera o historiador René Schlott.
Recomendadas

Azul e dourado de regresso. Passaporte britânico vai ser emitido em março

O anúncio foi feito pela secretária do Interior, Priti Patel, que colocou a imagem do novo passaporte no Twitter. O passaporte azul e dourado vai voltar a ser emitido pela primeira vez depois de três décadas, quando se instalou o passaporte de aspeto único em 1988.

Covid-19: MNE está a acompanhar situação de tripulante português que estará infetado

Segundo adiantou a mulher de Adriano Maranhão, Emmanuelle, o português “foi examinado pela primeira vez há dois dias”, após “terem desembarcado os passageiros”.

Covid-19: Tripulante em navio japonês pode ser primeiro português infetado

“Estamos à espera de informação. Como é de noite agora no Japão, calculo que amanhã tenhamos informação concreta sobre os resultados”.
Comentários