Vamos mesmo deixar de usar dinheiro vivo? Especialistas dizem que não

“O pagamento tem de ser um meio com que a nossa vida flua melhor. Precisamos de um pagamento frictionless, é a ‘Uberização’ dos pagamentos”, frisou Nuno Loureiro, ‘head of payments’ do Santander Totta. No entanto, “se vamos chegar a um nível 100% cashless, tenho dúvidas”, salientou.

A disrupção digital está a transformar a forma como pagamos e o debate em torno do subsistência dos pagamentos em numerário é atual. Estaremos a caminhar para uma sociedade totalmente cashless? Sem usar dinheiro vivo?

O cashless é cada vez mais uma realidade, mas não significa o fim do dinheiro físico. Esta foi a opinião dos quatro oradores que participaram no debate “O futuro do dinheiro e das transacções comerciais numa sociedade cashless“, no âmbito da conferência Portugal Financial Fórum, que se realizou esta quinta-feira no campus da Nova SBE e da qual o Jornal Económico é media partner.

Filomena Oliveira, economista e ex-vice presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), disse que “vamos ser e já estamos a ser uma sociedade cashless, embora vai haver sempre um resíduo de transações em numerário”. E explicou: “por causa da franja da população mais envelhecida, na Europa e em Portugal, talvez menos aberta à tecnologia”.

“Só isto faz com que se mantenha um resíduo de transações feitas com cash”, salientou Filomena Oliveira.

Nuno Loureiro, head of payments do Santander Totta, disse que acredita “na digitalização dos pagamentos”, para quem esta questão é uma realidade incontornável nos dias de hoje. “Realidades como avanço da internet, o 5G, a questão das economias da subscrição, tudo isso leva a que a minha vida esteja digital”, referiu.

“O pagamento tem de ser um meio com que a nossa vida flua melhor. Precisamos de um pagamento frictionless, é a ‘Uberização’ dos pagamentos”, frisou o head of payments do Santander. No entanto, “se vamos chegar a um nível de 100% de cashless, tenho dúvidas”, salientou Nuno Loureiro.

Para Tiago Violas Ferreira, CEO do Grupo Violas Ferreira, a questão passa pelo facto de haver pessoas que, no mundo, não têm uma conta bancária. “Para retirar o cash completamente da sociedade, é preciso resolver o problema que não há pessoas com conta bancária”, disse.

No Estado, Cristina Casalinho, presidente do IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, já secções de tesouraria completamente electrónicas, nomeadamente na dívida institucional. “Na parte de dívida institucional, é tudo eletrónico”, explicou. No entanto, a presidente do IGCP considerou que “vai sempre haver um resíduo do cash“, embora possa vir a ser algo diferente das moedas ou das notas. “Pode ser uma coisa diferente”, concluiu.

Ler mais
Relacionadas

Desafios e oportunidades da economia da próxima década. Assista ao Portugal Financial Fórum

Os desafios e as oportunidades da economia dos próximos dez anos vão ser o pano de fundo da discussão desta edição da conferência Portugal Financial Fórum, que vai reunir diversas personalidades do panorama económico nacional no campus da Nova SBE, em Carcavelos. O Jornal Económico é ‘media partner’.

Demografia, digitalização da economia e alterações climáticas são as “três mega-tendências na próxima década”

Para o secretário de Estado do Planeamento, José Mendes, há três tendências que vão marcar a próxima tendência. “São três mega-tendências que  vão condicionar as opções para a próxima década e para as quais deve haver resposta.
Recomendadas

PremiumBanca deve garantir que intermediários prestam bons serviços

“Uma estrutura mais ágil e enxuta, com menos custos, acaba por não ter esta estrutura a que a regulamentação dos sistemas financeiros obriga”, afirma o presidente do Montepio Crédito.
joão_barros_pagaqui_30_3

Pagaqui vai permitir que clientes paguem o café com bitcoins

“O contrato está assinado e vai ser operacionalizado durante o mês de janeiro”, afirmou João Barros, CEO da empresa portuguesa de pagamentos, no ciclo de conversas “30’ a 3”, promovido pelo Montepio Crédito e pelo Jornal Económico.
pedro_gouveia_alves_montepio_30_3

Presidente do Montepio Crédito diz que maior desafio das fintechs surge dos meios de pagamento

“Não será muito fácil a uma multinacional fintech em Portugal operar soluções de crédito para consumidores, uma vez que tem de preencher um conjunto de requisitos regulamentares que, do ponto de vista de desenvolvimento e análise do risco, são pesados”, defende Pedro Gouveia Alves.
Comentários