Sociedade detida pela chinesa CNIC vendeu 1,33% do capital da EDP por 175,6 milhões

A sociedade Orise S.A.R.L., detida pelos chineses da CNIC, vendeu na terça-feira por 175,6 milhões de euros 1,33% do capital social da EDP, segundo um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“A ORISE S.A.R.L. (‘ORISE’) comunica que concluiu com sucesso a venda, por meio de oferta particular através de um processo de ‘accelerated bookbuild’ [venda acelerada] dirigido exclusivamente a investidores institucionais qualificados (a ‘colocação’) de 48.783.722 ações (‘ações’) representativas de aproximadamente 1,33% do capital social da EDP – Energias de Portugal, S.A.”, refere o comunicado.

Segundo o comunicado ao mercado, “o valor total da receita da colocação atingiu aproximadamente 175,6 milhões de euros, correspondente a um preço de 3,60 euros por ação”.

“A liquidação da colocação ocorrerá em 08 de novembro de 2019 mediante a entrega das ações e o pagamento do preço à ORISE. Após a liquidação da colocação, a ORISE passará a deter 3.000.000 ações da EDP, sujeitas a um ‘lock-up’ de 30 dias”, acrescenta a Orise à CMVM, referindo que “a Société Générale atuou como ‘sole bookrunner’ da colocação”.

No dia 31 de outubro, a CNIC tinha anunciado que tinha reduzido a sua participação na EDP dos 4,34% para os 1,89%.

“No dia 30 de outubro de 2019, a CNIC Co., Ltd. comunicou à EDP, nos termos do artigo 20.º do Código dos Valores Mobiliários, que a sua participação na EDP baixou do patamar mínimo de 2% das participações qualificadas a 29 de outubro de 2019, para 1,8898% do capital social e direitos de voto da EDP”, lê-se na informação divulgada à CMVM nesse dia.

Recomendadas

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.

PremiumProibição dos festivais até ao final de setembro “é uma catástrofe para centenas de empresas”

Todos os serviços que estão integrados na realização de um festival musical estão a ser afetados pela lei que proíbe a realização desse tipo de eventos.
Comentários