Sócios de Paulo Fernandes reforçam na Altri. Ana Menéres reduz

O valor de venda foi de 5,8 euros por ação pelo que o reforço custou à Caderno Azul 5,8 milhões de euros e à 1 Thing Investments 14,5 milhões.

A Promendo Investimentos, de Ana Rebelo de Carvalho Menéres de Mendonça, que é sócia de Paulo Fernandes quer na Altri, quer na Cofina (com 19,98%), reduziu a sua participação na papeleira. Em resultado da alienação de parte da sua participação reduziu a posição acionista. Os acionistas Borges de Oliveira compraram essas ações.

Isto ocorre numa altura em que a Cofina se prepara para efectivar a compra da TVI, um investimento que surgiu da vontade de Paulo Fernandes, patrão da Cofina que tem o Correio da Manhã, a CMTV e o Jornal de Negócios.

A Altri passou a ter como maior acionista a Promendo de Ana Rebelo de Carvalho Menéres de Mendonça, com 19,16%; a Caderno Azul com 15,11%; a Actium Capital de Paulo Fernandes com 12,88%; a Livrefluxo de Domingos Vieira de Matos com 12,11% e a 1 Thing Investments com 10,01%.

A Caderno Azul, de João Borges de Oliveira (administrador e acionista da Cofina), reforçou a posição acionista na Altri para 15,11%, revela o site da CMVM.

A Caderno Azul “vem, por este meio, comunicar (…) que adquiriu, na Euronext Lisbon, em 24 de Janeiro de 2020, 1.000.000 de ações ordinárias representativas de 0,49% do capital social e dos direitos de voto da Altri, SGPS, sociedade aberta”.

O valor de aquisição foi de 5,8 euros por ação pelo que o reforço custou à Caderno Azul 5,8 milhões de euros.

Em virtude de tal operação, “passou a deter 31.000.000 de ações representativas de 15,11% do capital social e dos direitos de voto da Altri, SGPS, ultrapassando o limiar de participação de 15%”.

A Caderno Azul comprou em 2018  à Indaz – sua participada a 100%, os 15% da papeleira dominada pelo empresário Paulo Fernandes.

A obrigação de comunicação resultou, igualmente, “do facto do administrador João Manuel Matos Borges de Oliveira ser também administrador da Altri, SGPS”, refere o comunicado.

Mas João Borges de Oliveira não foi o único a reforçar na Altri, outro administrador anunciou um investimento na papeleira de Paulo Fernandes.

Foi também comunicado hoje à CMVM que a “1 Thing Investments, sociedade cujo conselho de administração integra Pedro Miguel Matos Borges de Oliveira, também administrador da sociedade Altri, SGPS (…)  adquiriu, na Euronext Lisbon, entre os dias 23 e 24 de Janeiro de 2020, 2.250.000 acções representativas de 1,10% do capital social e dos direitos de voto da sociedade”.

Esta empresa investiu assim 14,5 milhões de euros neste reforço na Altri.

Pedro Borges de Oliveira é também acionista da Cofina através da empresa Valor Autêntico (10,02%).

Em virtude de tais operações, a sociedade anónima 1 Thing Investments passou a deter 20.541.284 acções representativas de 10,01% do capital social e dos direitos de voto da sociedade Altri, SGPS, “ultrapassando o limiar de participação de 10%”.

Por fim, foi também comunicado que a “Promendo Investimentos alienou, em bolsa, as seguintes ações representativas do capital social e dos direitos de voto dessa emitente e que em consequência reduziu para um nível inferior a 20% em 24 de janeiro.

Em resultado desta alienação a sociedade de Ana Menéres passou a deter um total de 39.295.053 ações representativas de 19,15%
do capital social e direitos de voto da Altri SGPS.

“Consideram-se igualmente imputáveis à sociedade 11.500 ações detidas pelo seu administrador José Manuel de Almeida Archer, pelo que é assim imputável à sociedade um total de 39.306.553 ações da emitente”, lê-se no comunicado.

A obrigação de comunicação resulta ainda do facto de Ana Rebelo de Carvalho Menéres de Mendonça e do advogado José Manuel de Almeida Archer, serem administradores da sociedade e simultaneamente vogais do Conselho de Administração da Altri.

Assim são imputáveis a Ana Rebelo de Carvalho Menéres de Mendonça um total de 39.306.553 ações, correspondentes a 19,16% do capital social e dos direitos de voto da Altri.

Ler mais
Recomendadas

Huawei já tem 91 contratos para fornecer tecnologia 5G pelo mundo

Apesar da pressão dos EUA sobre países aliados para excluírem a empresa chinesa da expansão das suas redes, 47 dos contratos assinados até agora foram feitos na Europa, 27 na Ásia e os restantes 17 em países não especificados.

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.
Comentários