Sócios do Sporting reprovam relatório e contas de 2019/20 e orçamento de 2020/21

Em comunicado emitido após a reunião magna, o Conselho Diretivo dos ‘leões’ frisou que voltará, “oportunamente, a submeter os documentos à Assembleia Geral de sócios” e ponderará “introduzir alterações no orçamento, ajustando-o à realidade entretanto já conhecida desde o início do exercício”.

Os sócios do Sporting reprovaram hoje, em Assembleia Geral (AG) realizada no estádio José Alvalade, o relatório e contas relativo ao exercício de 2019/20 e o orçamento para 2020/21, com 67,22% e 69,19% de votos contra, respetivamente.

Em comunicado emitido após a reunião magna, o Conselho Diretivo dos ‘leões’ frisou que voltará, “oportunamente, a submeter os documentos à Assembleia Geral de sócios” e ponderará “introduzir alterações no orçamento, ajustando-o à realidade entretanto já conhecida desde o início do exercício”.

“A aprovação dos referidos documentos é importante na gestão orçamental diária e na relação com terceiros, nomeadamente com as entidades financiadoras e com o Estado. Como até aqui, tudo faremos para que não existam consequências mais nefastas para o clube neste período por si só já tão difícil. Estamos confiantes e determinados que, apesar de todas as dificuldades, iremos conseguir”, sublinhou o Conselho Diretivo.

Sem possibilidade de discussão das contas, de forma a evitar aglomerações dentro do ‘hall VIP’ do estádio José Alvalade, em Lisboa, onde decorreu a AG, devido à pandemia de covid-19, foram 3.115 os associados sportinguistas que participaram na votação, durante o período em que as urnas estiveram abertas, entre as 14:00 e as 20:00 horas.

Desses, 67,22% manifestaram-se contra o relatório e contas de 2019/20, perante 32,78% que se mostraram favoráveis, enquanto o orçamento para a próxima temporada desportiva foi reprovado com 69,19% de votos contra, enquanto 30,81% dos associados aprovaram o documento.

O relatório de gestão relativo às contas do Sporting na época 2019/20 regista um resultado líquido positivo de cerca de 74 mil euros, após ter verificado lucros a rondar os 141 mil euros na temporada anterior e na ordem dos dois milhões de euros em 2017/18.

O passivo do clube ‘leonino’ teve uma pequena descida, cifrando-se atualmente nos 202,47 milhões de euros (ME), em comparação com os 202,664 ME registados em 2019.

A direção do Sporting, liderada por Frederico Varandas, ressalvou o impacto da pandemia de covid-19 nas contas do clube, tendo provocado uma redução nas receitas, devido à paragem e encerramento de competições, de cerca de 1,432 ME, a qual foi mitigada com a “redução de gastos com pessoal (‘lay-off’ de colaboradores e atletas) e fornecedores” em 1,272 ME.

Para a temporada 2020/21, os sócios do Sporting rejeitaram igualmente a redução do orçamento em 58,73%, para os 36,762 ME, que contrasta com os 89,072 ME disponíveis para o último ano.

Nos pressupostos orçamentais, os responsáveis ‘leoninos’ afirmaram que “seria imprudente e irresponsável efetuar um orçamento que refletisse expectativas anteriores e que não tivesse por base ajustar medidas para garantir o equilíbrio financeiro”, antevendo “quebras de receitas significativas” face ao impacto da pandemia, o que implica “atualizar e rever as metas estabelecidas em orçamentos anteriores”.

Ler mais
Recomendadas

IPO do grupo Ant regista procura histórica de três biliões de dólares por parte de investidores

Apesar dos riscos de escrutínio, os investidores de retalho e institucionais estão a correr para comprar ações do grupo que opera a maior plataforma de pagamentos da China, bem como outros serviços financeiros.

Sindicato dos tripulantes “não quer acreditar” que a TAP vá reduzir salários

Presidente do SNPVAC, Henrique Louro Martins, disse, em entrevista ao “Público”, que os trabalhadores que representa já perderam grande parte da remuneração e lamenta que a administração ainda não tenha comunicado o plano de reestrutração da transportadora aérea.

PremiumRoger Tamraz: Dos milionários ‘pipelines’ no Médio Oriente ao interesse pelo banco de Isabel dos Santos

Gravitou em negócios da mais alta geopolítica, rodeado por chefes de Estado do Médio Oriente e de antigas repúblicas soviéticas, e fez parcerias com Onassis no Panamá. Agora gere investimentos a partir do Dubai, com russos, chineses e africanos. Aos 80 anos pretende comprar o Eurobic.
Comentários