Sócrates acusa PS de “traição” ao “remover” da história “o único líder que teve maioria absoluta”

No livro “Só Agora Começou” que será lançado nos próximos dias, o ex-chefe de Governo acusa os socialistas de decidiram que “o único líder que teve uma maioria absoluta deveria ser removido da história”. A par disso, diz que foi alvo de uma “vingança” da direita, que procurou afastá-lo da vida política. “Nunca esperei que esta me atacasse tão injustamente”, refere.

O antigo primeiro-ministro José Sócrates acusa a direção do Partido Socialista (PS) de “traição”, no livro “Só Agora Começou” que será lançado nos próximos dias. O ex-chefe de Governo diz que os socialistas decidiram que “o único líder que teve uma maioria absoluta deveria ser removido da história” e que, a par disso, foi alvo de uma “vingança” da direita, que procurou afastá-lo da vida política.

“Se nenhuma ajuda pedi à direção do partido também nunca esperei que esta me atacasse tão injustamente, não me deixando outra alternativa para defender a minha dignidade pessoal que não fosse a saída. Saída essa que, aliás, pareciam desejar – ela, a direção, e ela, a direita política. Bom, aí a tem”, escreve José Sócrates no livro, que tem pré-publicação este domingo no jornal “Diário de Notícias”.

No livro, José Sócrates critica o presidente do PS, Carlos César, por ter feito uma “condenação pública” a Manuel Pinho, ex-ministro da Economia do Governo de José Sócrates. Já ao atual secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, chama-lhe apenas de “o atual líder do PS”. “A política ama a traição mas despreza o traidor”, escreve, citando o político brasileiro Ulysses Guimarães.

“Nenhum de nós tinha ilusões”, sublinha José Sócrates: “Afinal, conhecemos bem a história do nosso país, a cultura das nossas instituições e o que alguns dos nossos compatriotas, zelosos homens do Estado, são capazes de fazer em certos momentos”.

O livro conta com um prefácio da antiga presidente do Brasil Dilma Rousseff, que compara a “Operação Marquês”, no âmbito da qual José Sócrates deverá responder em tribunal por seis dos 31 crimes de que estava acusado (depois de a decisão instrutória do juiz Ivo Rosa ter deixado cair todos os crimes de corrupção e fraude fiscal), à “Lava Jato”, a megaoperação que colocou o ex-presidente brasileiro Lula da Silva na prisão.

O ex-primeiro-ministro equipara ainda o juiz Carlos Alexandre, a quem foi inicialmente atribuído o processo, ao juiz brasileiro Sergio Moro, que, em 2018, aceitou ser ministro da Justiça e Segurança Pública no Governo de Jair Bolsonaro.

Ler mais
Recomendadas

Operação Marquês: Ricardo Salgado e Armando Vara começam a ser julgados em junho

O antigo presidente do Banco Espírito Santo, que estava acusado de 31 crimes, vai a julgamento por três crimes relacionados com abuso de confiança. Armando Vara será julgado pelo crime de branqueamento de capitais.

Petição pública para afastar Ivo Rosa ultrapassa os 170 mil assinantes

Os peticionários consideram que “a conduta do Juiz Ivo Rosa já foi várias vezes posta em causa por parte do Ministério Público (MP), por este sistematicamente violar as Leis”.

De Costa a Portas: como o país político reagiu à decisão instrutória da Operação Marquês

Da esquerda à direita, o país político reagiu à decisão da instrução sobre a Operação Marquês e que fez cair todos os crimes de corrupção apontados ao ex-primeiro-ministro José Sócrates.
Comentários