“Sócrates teve uma derrota colossal do ponto de vista político”, diz Marques Mendes

Luis Marques Mendes afirmou que a decisão instrutória da Operação Marquês foi um “abalo para a justiça e para a política”, porque foi um caso no qual um juíz concedeu que em Portugal um primeiro-ministro foi corrompido.

O ex-primeiro-ministro José Socrates obteve uma “meia vitória” no aspecto jurídico da decisão instrutória da Operação Marquês, mas teve uma derrota “colossal” do ponto de visto político, porque o juiz Ivo Rosa “concedeu” que o ex-governante foi corrompido, apesar de não ir a tribunal por esse crime, afirmou este domingo o comentador Luís Marques Mendes.

“Do ponto de vista jurídico José Socrates teve uma meia vitória. Era acusado de um conjunto de grandes crimes, e só vai a julgamento por branqueamento e falsificação”, afirmou Marques Mendes, no espaço de comentário semanal na SIC Notícias.

“Do ponto de visto político, que para ele é importantíssimo, eu acho que ele teve uma derrota colossal. Porquê? Porque o objectivo dele era não ir a julgamento. Vai a julgamento e até pode ter uma pena de prisão efetiva. Segundo, ele esperava não ir a julgamento”, disse. “A prova era que tinha em segredo um livre preparado, que hoje soube-se, para a seguir à instrução cantar vitória”.

Marques Mendes salientou que “mesmo nos crimes de corrupção, em que o juíz o ‘ilibou’ tem de esperar, não sabe ainda, porque a Relação vai decidir, porque esta decisão é provisória”.

Relacionadas

Sócrates acusa PS de “traição” ao “remover” da história “o único líder que teve maioria absoluta”

No livro “Só Agora Começou” que será lançado nos próximos dias, o ex-chefe de Governo acusa os socialistas de decidiram que “o único líder que teve uma maioria absoluta deveria ser removido da história”. A par disso, diz que foi alvo de uma “vingança” da direita, que procurou afastá-lo da vida política. “Nunca esperei que esta me atacasse tão injustamente”, refere.

Operação Marquês. Dos 188 crimes apenas 17 vão a julgamento. Conheça os arguidos

Das mais de duas dezenas de arguidos, apenas José Sócrates, Carlos Santos Silva, Ricardo Salgado, Armando Vara e João Perna vão a julgamento. Ministério Público vai recorrer decisão de Ivo Rosa.

Casas onde residiu José Sócrates deixaram de estar arrestadas

Entre outros imóveis, em causa estão o apartamento da rua Braamcamp, em Lisboa, o Monte das Margaridas e a casa em Paris de Carlos Santos Silva.
Recomendadas

Operação Marquês: Ricardo Salgado e Armando Vara começam a ser julgados em junho

O antigo presidente do Banco Espírito Santo, que estava acusado de 31 crimes, vai a julgamento por três crimes relacionados com abuso de confiança. Armando Vara será julgado pelo crime de branqueamento de capitais.

Petição pública para afastar Ivo Rosa ultrapassa os 170 mil assinantes

Os peticionários consideram que “a conduta do Juiz Ivo Rosa já foi várias vezes posta em causa por parte do Ministério Público (MP), por este sistematicamente violar as Leis”.

De Costa a Portas: como o país político reagiu à decisão instrutória da Operação Marquês

Da esquerda à direita, o país político reagiu à decisão da instrução sobre a Operação Marquês e que fez cair todos os crimes de corrupção apontados ao ex-primeiro-ministro José Sócrates.
Comentários