PremiumSoft Sponsoring. Publicidade escondida com o carro de fora

Dezenas de marcas de automóveis estão a apostar numa estratégia de marketing dirigida à mente dos consumidores quando estão atentos ao que se passa no pequeno ecrã. É uma publicidade visível, mas que passa despercebida porque os produtos exibidos se confundem com os protagonistas das telenovelas ou dos programas de entretenimento.

James Bond não rima com Aston Martin. Mas no cinema o desportivo de luxo confunde-se com o charme e a irreverência do espião dos Serviços Secretos de Informação de Sua Majestade, também conhecidos como MI6.  No pequeno ecrã, a atriz Débora Monteiro entra no KIA onde João e Lisete se encontram pela primeira vez. Bem-disposta, coloca o cinto de segurança e diz aos participantes do programa “O Carro do Amor”, da SIC, que estão “com um sorriso ótimo”. Esta foi apenas uma das 571 inserções dos carros da marca sul-coreana no programa de encontros daquele canal de televisão generalista.

Entre janeiro e junho de 2019, foram 52 as marcas de automóveis que apostaram no soft sponsoring para comunicarem com o mercado nacional. Segundo a análise do Grupo Marktest a que o Jornal Económico teve acesso, os modelos de automóveis de diversos segmentos apareceram em mais de 250 programas de informação, entretenimento ou ficção, num total de 20 horas, seis minutos e 56 segundos de exposição que lhes valeram mais de 65 milhões de euros em retorno financeiro, calculado com base nos preços de tabela publicitária de cada meio.

O soft sponsoring é uma estratégia de marketing com a qual as marcas integram produtos ou serviços em determinado conteúdo de entretenimento, como um filme, uma novela ou um reality show, entre outros. “É uma forma alternativa de comunicar e permite impactar o consumidor num momento em que está com elevada predisposição para assimilar a comunicação da marca”, explica Luís Mergulhão, CEO da Omnicom Media Group, empresa especializada em marketing e publicidade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumJuan Carlos I: O rei sai nu

O exílio do rei emérito é a última oportunidade de preservação da monarquia espanhola – apesar de a possibilidade de secessão ser o verdadeiro problema do país. Juan Carlos ficará conhecido na história como o rei que atirou para o lixo a página dourada que sobre ele já tinha sido escrita e a substituiu por uma garatuja onde se acotovelam animais mortos, amantes e corrupção.

PremiumRicardo Costa: Identidade apurada ao sabor do tempo

40 anos de idade, 20 anos de carreira e 10 anos à frente do restaurante The Yeatman, com uma vista imperdível sobre o rio Douro. O chef Ricardo Costa soma números redondos de idade e experiência, além das duas estrelas Michelin que já tinha no cardápio, num ano que não está a ser fácil para o mundo. Fomos conhecer o homem por detrás da jaqueta de chef.

PremiumNasdaq: O imparável índice que avança à alta velocidade tecnológica

A aceleração da transição digital em tempos de pandemia, aliada ao apetite dos investidores pelo risco, tem levado o Nasdaq Composite a quebrar recordes sucessivos. Gigantes tecnológicas como a Apple, a Amazon, a Google e a Microsoft dominam um ‘rally’ que os analistas dizem que não deverá travar nos próximos tempos.
Comentários