PremiumSoft Sponsoring. Publicidade escondida com o carro de fora

Dezenas de marcas de automóveis estão a apostar numa estratégia de marketing dirigida à mente dos consumidores quando estão atentos ao que se passa no pequeno ecrã. É uma publicidade visível, mas que passa despercebida porque os produtos exibidos se confundem com os protagonistas das telenovelas ou dos programas de entretenimento.

James Bond não rima com Aston Martin. Mas no cinema o desportivo de luxo confunde-se com o charme e a irreverência do espião dos Serviços Secretos de Informação de Sua Majestade, também conhecidos como MI6.  No pequeno ecrã, a atriz Débora Monteiro entra no KIA onde João e Lisete se encontram pela primeira vez. Bem-disposta, coloca o cinto de segurança e diz aos participantes do programa “O Carro do Amor”, da SIC, que estão “com um sorriso ótimo”. Esta foi apenas uma das 571 inserções dos carros da marca sul-coreana no programa de encontros daquele canal de televisão generalista.

Entre janeiro e junho de 2019, foram 52 as marcas de automóveis que apostaram no soft sponsoring para comunicarem com o mercado nacional. Segundo a análise do Grupo Marktest a que o Jornal Económico teve acesso, os modelos de automóveis de diversos segmentos apareceram em mais de 250 programas de informação, entretenimento ou ficção, num total de 20 horas, seis minutos e 56 segundos de exposição que lhes valeram mais de 65 milhões de euros em retorno financeiro, calculado com base nos preços de tabela publicitária de cada meio.

O soft sponsoring é uma estratégia de marketing com a qual as marcas integram produtos ou serviços em determinado conteúdo de entretenimento, como um filme, uma novela ou um reality show, entre outros. “É uma forma alternativa de comunicar e permite impactar o consumidor num momento em que está com elevada predisposição para assimilar a comunicação da marca”, explica Luís Mergulhão, CEO da Omnicom Media Group, empresa especializada em marketing e publicidade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumSteve Easterbrook: Relação amorosa pôs fim a décadas de dedicação aos hambúrgueres

As regras criadas para evitar casos de assédio sexual puseram fim à carreira fulgurante de um gestor britânico que era adolescente quando descobriu o prazer de comer batatas fritas e batidos num restaurante McDonald’s e acabou por subir a presidente e CEO da empresa.

Premium“Overdose” de horas de trabalho tem efeito nocivo para Portugal

Horários de trabalho prolongados não fazem apenas mal à saúde. São também prejudiciais para a economia, pois inibem a inovação e a melhoria da gestão nas empresas. O economista José Tavares, da Universidade Nova, põe o dedo na ferida: “Estamos viciados em horas extraordinárias. Se as horas extraordinárias fossem uma droga leve, Portugal estaria em ‘overdose’ há décadas.”

PremiumAlina Donets: “Mudanças climáticas estão a afetar os recursos hídricos”

A gestora do Global Water Fund da seguradora Allianz reconhece que existem indícios de que os padrões climáticos estão a mudar, o que tem consequências nos recursos hídricos disponíveis. Ainda sem investimentos em empresas portuguesas, Alina Donets recomenda alterar hábitos de consumo e a via da dessanilização.
Comentários