Somente 2% das escolas têm desfibrilhadores

A Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) diz que “não faz sentido que as escolas não tenham um equipamento determinante para salvar vidas”.

A morte de um aluno de 17 anos em Espinho serve de mote para a preocupação de professores, diretores e especialistas em segurança, sobre a falta de aparelhos desfibrilhadores em escolas por todo o país. Dos 5.909 estabelecimentos de ensino apenas 129 possuem este tipo de equipamento, segundo o Jornal de Notícias.

A Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) afirma que “não faz sentido que as escolas não tenham um equipamento determinante para salvar vidas”

João Paula Saraiva, presidente da APROSOC, diz que a situação é ainda mais inexplicável se tivermos em conta que “o INEM chega a demorar oito minutos a atender uma chamada de socorro, sendo que o tempo útil para se reverter uma paragem cardiorrespiratória são dez minutos”, em declarações ao Jornal de Noticias.

O uso deste tipo de equipamento requer formação prévia, algo que professores e diretores encaram com naturalidade. Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas, afirma que “era excelente que o estado colocasse desfibrilhadores automáticos externos nas escolas, desde que fornecessem a formação, era algo que traria bem-estar”

Existem em Portugal 2.453 desfibrilhadores segundo o INEM, sendo que 2.120 são em espaços públicos ou ambulâncias não tripuladas por profissionais do INEM. Ao todo existem 24.176 operacionais de desfibrilhadores automáticos.

Recomendadas

Movimento cívico alerta para consequências da exploração de lítio na Serra d’Arga

A ação, promovida pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, pretende sensibilizar para a “calamidade da exploração mineira massiva” na serra d’Arga e “parar” um projeto que “põe em causa 20%” daquele território.

Vespa asiática obriga ao encerramento da zona ocidental do Parque da Pena em Sintra

Em comunicado, a Parque de Sintra – Monte da Lua (PSML) explica que a decisão de encerrar a zona ocidental do Parque da Pena, em que se incluiu o Chalet da Condessa d’Edla, surgiu depois de terem sido contactados os serviços de Proteção Civil da Câmara Municipal de Sintra, no distrito de Lisboa.
Comentários