Somente 2% das escolas têm desfibrilhadores

A Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) diz que “não faz sentido que as escolas não tenham um equipamento determinante para salvar vidas”.

A morte de um aluno de 17 anos em Espinho serve de mote para a preocupação de professores, diretores e especialistas em segurança, sobre a falta de aparelhos desfibrilhadores em escolas por todo o país. Dos 5.909 estabelecimentos de ensino apenas 129 possuem este tipo de equipamento, segundo o Jornal de Notícias.

A Associação de Proteção e Socorro (APROSOC) afirma que “não faz sentido que as escolas não tenham um equipamento determinante para salvar vidas”

João Paula Saraiva, presidente da APROSOC, diz que a situação é ainda mais inexplicável se tivermos em conta que “o INEM chega a demorar oito minutos a atender uma chamada de socorro, sendo que o tempo útil para se reverter uma paragem cardiorrespiratória são dez minutos”, em declarações ao Jornal de Noticias.

O uso deste tipo de equipamento requer formação prévia, algo que professores e diretores encaram com naturalidade. Filinto Lima, presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas, afirma que “era excelente que o estado colocasse desfibrilhadores automáticos externos nas escolas, desde que fornecessem a formação, era algo que traria bem-estar”

Existem em Portugal 2.453 desfibrilhadores segundo o INEM, sendo que 2.120 são em espaços públicos ou ambulâncias não tripuladas por profissionais do INEM. Ao todo existem 24.176 operacionais de desfibrilhadores automáticos.

Recomendadas

Marques Mendes diz que Luanda Papers é tsunami para Isabel dos Santos

O comentador da SIC diz que em Angola a solução é negociar, e que em Portugal existe uma questão sensível que é o Eurobic. Sobre a eleição de Rui Rio, Marques Mendes diz que teve uma “vitória clara”.

Leia aqui os documentos do Luanda Leaks

Os Luanda Leaks têm 715 mil documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ. Veja aqui os documentos que foram revelados este domingo.

Isabel dos Santos diz que Luanda Leaks é baseado em documentos falsos e coordenado por governo de Angola

O Luanda Leaks revelou 715 mil documentos, de um consórcio de jornalistas de investigação, que mostram como Isabel dos Santos construiu a sua fortuna à custa do Estado de Angola.
Comentários