Sonae Food4Future conclui compra da britânica Claybell por 64 milhões de euros

A Sonae realça que esta aquisição “está em linha com a estratégia de gestão ativa de portefólio da Sonae focada em empresas inovadoras em setores em crescimento”, que estão ligados ao seu negócio principal.

A subsidiária da Sonae, a Food4Future, concluiu a aquisição de 95,4% da empresa britânica Claybell, dona da marca “Gosh!” por 75 milhões de libras (cerca de 64 milhões de euros).

De acordo com o comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Imobiliários (CMVM), a compra da Claybell Limited, detendora da Gosh Food, responsável pela produção e comercializa produtos alimentares de origem vegetal, prende-se com o facto de a empresa oferecer “uma gama de produtos clean label e sem alergénios através dos principais retalhistas e operadores de food service do Reino Unido”.

“Com um forte histórico de crescimento e uma rentabilidade de referência”, indica o comunicado, a sociedade britânica agora adquirida registou um volume de negócios de 22 milhões de libras (cerca de 26 milhões de euros) no exercício fiscal terminal em maio deste ano, frisando que “após a transação, a Gosh continuará a ser gerida pela equipa atual”.

“A transação permite à Sonae investir na atrativa indústria de alimentação natural à base vegetal, alevancado o seu know how nos sectores alimentar e de retalho”, adianta o comunicado.

Recomendadas

Governo recebe 300 milhões da CGD em dividendos extraordinários

Com este dividendo extraordinário, o Estado recebe ao todo em 2021, da CGD, 383,6 milhões de euros.

“Teletrabalho? Caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos em virtude do trabalho remoto”

“Ficou claro que caberá ao empregador pagar tudo o que seja relativo à aquisição de equipamentos e de instrumentos de trabalho: computadores, tablets, telemóveis, impressoras, etc. Por outro lado, caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos que o trabalhador comprovadamente demonstrar serem relativos ao teletrabalho”, realçou Maria João da Luz, advogada sénior da Morais Leitão.

Haitong Bank liderou a emissão de obrigações da Mota-Engil num sindicato que incluiu CaixaBI, Finantia e Novobanco

Nesta emissão, a Mota-Engil compromete-se a melhorar um indicador (KPI) de modo a alcançar a uma meta de desempenho de sustentabilidade (SPT) em 31 de dezembro de 2025; caso a emitente não cumpra esse objetivo, pagará uma remuneração adicional de 1,25 euros por obrigação Mota-Engil 2026 na data de reembolso final do empréstimo.
Comentários