Sonae Indústria com lucros de 2,4 milhões no primeiro semestre

Negócio na América do Norte explica o que Paulo Azevedo considera serem resultados significativos, com a melhoria do EBITDA. A ques dos lucros explica-se pela ausência de resultados extraordinários.

A Soane Indústria atingiu no final do primeiro semestre do ano lucros de 2,4 milhões de euros que, pela ausência de resultados extraordinários, contrasta com os mais de 18,9 milhões do mesmo período do ano passado, dado representar uma queda de mais de 87%.

No mesmo período, o EBITDA recorrente atingiu os 13,1 milhões de euros, para um volume de negócios proporcional de 316 milhões. Já o EBITDA recorrente proporcional foi de de 36 milhões de euros e o rácio de dívida líquida para EBITDA recorrente proporcional foi de 4,8x.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Paulo Azevedo, presidente da administração da Sonae Indústria, disse que “é com agrado que comunico que a Sonae Indústria atingiu resultados líquidos positivos no segundo trimestre de 2019 de cerca de 1,2 milhões de euros, conduzindo a um resultado líquido no primeiro semestre de 2019 de cerca de 2,4 milhões de euros”.

Os negócios integralmente detidos “apresentaram uma melhoria significativa do EBITDA recorrente no trimestre quando comparado com os dois trimestres anteriores”, o que ficou a dever-se “ao nosso negócio da América do Norte que, após os efeitos negativos do incêndio que ocorreu em novembro e do frio extremo que se fez sentir no primeiro trimestre, conseguiu estabilizar a produção e aumentar os volumes de vendas e margens”.

Devido ao facto de um dos principais ativos da Sonae Indústria (a participação de 50% na Sonae Arauco) ser contabilizado pelo método da equivalência patrimonial, o grupo apresenta indicadores proporcionais não auditados, que consideram os resultados totais dos negócios integralmente detidos e a consolidação proporcional da contribuição de 50% da Sonae Arauco.

Assim, o volume de negócios proporcional no primeiro semestre foi cerca de 1,1 milhões de euros inferior ao verificado no mesmo período de 2018. “Esta evolução resulta de uma menor contribuição da Sonae Arauco de 5,6 milhões de euros, que foi afetada pela redução dos volumes de vendas. O aumento em 4,5 milhões de euros do volume de vendas dos negócios integralmente detidos não foi suficiente para compensar aquele descréscimo”, refere o comunicado.

Já o EBITDA recorrente proporcional neste semestre atingiu 36 milhões de euros (incluindo o impacto positivo de dois milhões de euros da aplicação da IFRS 16), cerca de 6,3 milhões de euros menor face ao primeiro semestre de 2018 devido a uma menor contribuição quer dos negócios integralmente detidos quer da Sonae Arauco.

O investimento em empreendimentos conjuntos (participação de 50% na Sonae Arauco) atingiu 212,0 milhões de euros, o que representa uma redução de cerca de 4,2 milhões de euros quando comparado com o valor contabilístico registado no final do primeiro trimestre do ano para este investimento, “sobretudo devido ao impacto do valor de dividendos a pagar pela Sonae Arauco à Sonae Indústria contabilizados no segundo trimestre do ano e a serem liquidados no trimestre em curso num montante de cerca de 6 milhões de euros (os quais justificam por seu lado o aumento da rubrica ativos correntes) e apesar do impacto positivo da nossa participação nos resultados da Sonae Arauco no trimestre de 1,9 milhões de euros.

Relacionadas

Sonae Capital com resultados negativos de 2,9 milhões no 1º semestre

Volume de negócios consolidado atingiu 95,8 milhões de euros e o EBITDA consolidado aumentou 58%, para 16,6 milhões, quando comparados com o mesmo período do ano passado.

Lucros da Sonaecom tombam 65% no semestre para 17,5 milhões

A dona de uma participação da NOS apresentou uma queda do EBITDA para 24,5 milhões e uma subida dos custos operacionais que ascenderam a 102,9 milhões, ou seja, mais 32,8% do que o registado um ano antes. Sendo que os custos com pessoal aumentaram 36% para 47,4 milhões.
Recomendadas

Ibersol avança com aumento de capital que propicia encaixe até 40 milhões

A empresa que detém a Pizza Hut, KFC, Taco Bell e Burger King anunciou um aumento de capital num montante máximo de 40 milhões de euros. A empresa quer ainda distribuir 20% dos lucros anuais consolidados.

Galp entra no solar no Brasil com a compra de dois projetos de 594 megawatts

A Galp vai entrar nas renováveis no Brasil. A empresa portuguesa acordou a aquisição de dois projetos solares, com uma capacidade total de 594 megawatts de potência.

Goldman Sachs vê EDP a fechar terceiro trimestre com lucros de 505 milhões

Resultados da elétrica nos primeiros nove meses do ano ficariam acima dos 420 milhões do período homólogo de 2020, estima a Goldman Sachs. Mas com o EBITDA a descer, para os 2,48 mil milhões de euros.
Comentários