Sonangol vai privatizar 12 ativos e quer lançar outros 32 concursos

Instado a comentar os casos de corrupção associados à petrolífera, Diamantino de Azevedo afirmou que o processo de reestruturação da petrolífera, que inclui a alienação destas subsidiárias, decorre também deste combate.

A petrolífera angolana Sonangol tem previsto privatizar 12 dos 56 ativos que quer alienar ainda este ano, prevendo lançar também 32 concursos, segundo o presidente da empresa, Gaspar Martins.

Durante um encontro com jornalistas, Gaspar Martins afirmou que foram já privatizados “três ativos imobiliários na Europa” e passaram para a TAAG, transportadora aérea angolana, duas aeronaves que estavam no segmento de asa fixa (da subsidiária Sonair).

Na mesma ocasião, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino de Azevedo admitiu que esta pode não ser a melhor altura para a privatização dos ativos, face ao efeito da pandemia de covid-19, mas acrescentou que este pode também vir a ser o novo normal.

“Vamos parar? Vamos esperar que isto acabe? Nós não queremos parar. Pode haver menos receitas, mas não se deve olhar só para as receitas”, sublinhou o governante, destacando que para a Sonangol seria pior ficar parada do que vender os ativos que constam da lista.

A lista inclui desinvestimentos na Sonangol Cabo Verde — Sociedade e Investimentos, Combustíveis e Óleos de São Tomé e Príncipe, Founton (Gibraltar), Sonatide Marine (Ilhas Caimão), Solo Properties Nightbridge (Reino Unido), Societé Ivoiriense de Raffinage (Costa do Marfim), Puma Energy Holdings (Singapura) e Sonandiets Services (Panamá).

Também estão abrangidas as participações nas empresas WTA-Houston Express e na francesa WTA, nas petrolíferas Sonacergy — Serviços e Construções Petrolíferas e Sonafurt International Shipping e na Atlântida Viagens e Turismo, entre outras.

Instado a comentar os casos de corrupção associados à Sonangol, Diamantino de Azevedo afirmou que o processo de reestruturação da petrolífera, que inclui a alienação destas subsidiárias, decorre também deste combate.

“É um processo que não vai terminar hoje nem amanhã”, disse o ministro, escusando-se a comentar o processo judicial que envolve o empresário luso-angolano Carlos São Vicente, alegadamente envolvido num esquema ilegal que lesou a petrolífera em mais de 900 milhões de dólares (cerca de 760 milhões de euros).

“A nível do que nos compete, queremos é dominar aspetos que possam diluir as facilidades para a corrupção”, sublinhou o governante.

A Sonangol é o maior grupo empresarial angolano, com perto de 10.000 trabalhadores diretos e subsidiárias na área do transporte aéreo, telecomunicações, imobiliário e distribuição de combustíveis, entre outros, tendo ainda participações em várias empresas e bancos, incluindo em Portugal (Millennium BCP e Galp).

Durante o encontro que teve lugar no hotel Intercontinental, recentemente inaugurado depois de ser nacionalizado em outubro do ano passado, por ter sido construído com recurso a fundos públicos da Sonangol, foi também questionado o modelo de gestão da unidade hoteleira, ainda em regime de ‘soft opening’.

Segundo Gaspar Martins, o edifício não está arrendado à cadeia Intercontinental, devendo ser definido um “fee” de gestão com base no desempenho da unidade. Outros serviços, como ‘spas’ e casino poderão ser “terciarizados”.

Quanto à redução da participação da Sonangol em alguns blocos petrolíferos, está a ser estudada a modalidade em que as empresas se poderão futuramente candidatar: “Haverá um documento claro da Sonangol sobre como as empresas interessadas poderão concorrer”.

O ministro Diamantino de Azevedo abordou também a privatização da companhia estatal de diamantes Endiama, explicando que ficou acordado com o Ministério das Finanças que a entrada em bolsa só poderia arrancar depois de dois anos consecutivos de contas auditadas, sem reservas.

A dispersão de parte do capital em bolsa está também dependente da reestruturação das empresas mineiras para que a Endiama “se liberte do seu papel de concessionária” e se foque no papel de operadora.

Ler mais
Recomendadas
catarina_martins_oe_2020

Covid-19: Catarina Martins faz um apelo a Costa para que estenda já as moratórias

“Deixo aqui hoje este apelo a António Costa: não espere que seja tarde demais, não espere pelo início dos despejos e das falências. As moratórias têm de ser estendidas já”, num comício maioritariamente virtual que assinalou o encerramento da conferência autárquica online e os 22 anos do BE, que comemora no domingo a sua fundação.

TAP. Ratificação dos acordos com pilotos e tripulantes era “passo crucial”, diz o Governo

“Porque estes acordos representam um compromisso muito firme de todos com o futuro da companhia, dão ainda mais credibilidade ao plano de reestruturação que o Estado português continuará a negociar com a Comissão Europeia ao longo das próximas semanas”, sublinhou o Ministério das Infraestruras e da Habitação.

Serviços postais caem 12,4% mas tráfego de encomendas dispara 20% em 2020

Tráfego total dos serviços postais caiu 12,4% em 2020, uma quebra que “está associada aos efeitos da pandemia da Covid-19” e que foi “mais expressiva” do que o recuo verificado em 2019 (-6,7%). A pandemia terá tido “um impacto direto, negativo, de 9,8% no tráfego postal total”.
Comentários