Sondagem aponta que maioria dos portugueses defende a criminalização de enriquecimento ilícito

A sondagem feita para o “CM” e “Negócios” indica também que mais de metade dos participantes (52,1%) desconhecem o teor da possível lei, mas 68,1% concorda com a medida.

Uma sondagem realizada pela Intercampus revelou, esta terça-feira, que 90% dos inquiridos quer que o enriquecimento ilícito seja criminalizado. A sondagem feita para o “Correio da Manhã” e “Jornal de Negócios“, que contou com 610 entrevistas, indica também que mais de metade dos participantes (52,1%) desconhecem o teor da possível lei, mas 68,1% concorda com a medida (apenas 19,2% discorda).

Quanto ao caso judicial a que está associado o antigo primeiro-ministro José Sócrates, 72,5% dos portugueses atribui mais credibilidade ao Ministério Público no caso da Operação Marquês, enquanto que 15,5% considera que a decisão instrutória do juiz Ivo Rosa foi a mais competente.

Relativamente à confiança na justiça portuguesa, 26,7% dos inquiridos confiam na justiça e 80% acredita que os ricos e poderosos dificilmente serão julgados. Existiram ainda 60,5% dos participantes que defenderam que as leis protegem demasiado os criminoso

Relacionadas

Operação Marquês: Ricardo Salgado e Armando Vara começam a ser julgados em junho

O antigo presidente do Banco Espírito Santo, que estava acusado de 31 crimes, vai a julgamento por três crimes relacionados com abuso de confiança. Armando Vara será julgado pelo crime de branqueamento de capitais.

Rio acusa Costa de lhe dirigir “quase insultos” e de não querer reformar a Justiça

O líder social-democrata acusou hoje o primeiro-ministro de ter enveredado pelo “quase insulto” na entrevista publicada domingo e de “não quer fazer reforma nenhuma” na Justiça quando “deveria ser o primeiro” a fazê-lo devido à Operação Marquês “e outros casos”.
Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados faz 95 anos

O decreto que criou a primeira ordem profissional em Portugal foi publicado a 12 de junho de 1926. “O país ainda está a atravessar a situação de pandemia, que tantos danos causou ao Estado de Direito, à Justiça em geral e à advocacia em particular”, alertou o bastonário, Luís Menezes Leitão.

CTT iniciam processo de arbitragem contra o Estado e querem 67 milhões de euros

A empresa reclama 23 milhões de euros pelos impactos e efeitos contratuais, designadamente compensatórios da crise sanitária, e 44 milhões por “compatibilidade legal, impactos e efeitos contratuais, designadamente compensatórios da decisão de prorrogação do contrato contida”.

CGTP considera que acórdão do Constitucional sobre alterações laborais é “muito insuficiente

O acórdão, conhecido na segunda-feira, “é muito insuficiente pois apenas declara a inconstitucionalidade do alargamento do período experimental para os trabalhadores à procura do primeiro emprego que já tenham tido um contrato de trabalho com a duração de pelo menos 90 dias”, critica a intersindical em comunicado.
Comentários