Sondagem. PS com 37,2% das intenções de voto, PSD com 23,9%

Após as eleições regionais dos Açores e a discussão do Orçamento do Estado para 2021, uma sondagem da Aximage para a TSF/JN aponta que António Costa continuaria a ter condições para governar. As intenções de votos apuradas indicam para uma maioria parlamentar de esquerda (50,3%).

Cristina Bernardo

Se as eleições legislativas decorressem hoje, o PS continuaria a ter condições para manter-se no Governo. De acordo com uma sondagem da Aximage para a rádio TSF e o “Jornal de Notícias”, publicada esta segunda-feira, os socialistas reúnem 37,2% das intenções de votos do eleitorado, seguindo-se o PSD com 23,9%.

Observando o espetro político português, com base nesta sondagem, continuaria a existir uma maioria parlamentar de esquerda, na Assembleia da República (AR). O BE manteria a sua posição de terceira maior força política na AR, reunindo 7,9% das intenções de votos. A CDU, coligação que congrega o PCP e ‘Os Verdes’, conseguiria uns estabilizadores 5,2%.

O PAN, partido que rejeita posicionar-se à esquerda ou à direita do espetro político, mas que nas discussões do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) viabilizou o documento proposto pelo Governo socialista, surgiria hoje à frente da CDU, com 6,5% das intenções de voto.

Desta forma, os partidos da esquerda com assento parlamentar, juntamente com o PAN, reúnem 56,8% das intenções de voto. E mesmo que o PS continuasse sem conseguir consensos com o BE, ex-parceiro da ‘Geringonça’, António Costa, observando as viabilizações alcançadas junto de PCP, ‘Os Verdes’ e PAN, no OE2021, poderia ter condições para continuar no Governo. PS, CDU e PAN juntos reúnem 48,9% das intenções de voto.

À direita, além dos 23,9% do PSD, destaque para o Chega que seria a quarta maior força política com 7,5%, à frente do PAN e da CDU. O Iniciativa Liberal conseguiria alcançar 2,2% dos votos, enquanto o CDS-PP conseguiria apenas 1% dos votos. O PSD, Chega, CDS-PP, IL juntos conseguiriam hoje apenas 34,6% dos votos.

Recomendadas

Costa anuncia fecho das lojas do cidadão e suspensão dos prazos para processos judiciais não urgentes para os próximos 15 dias

Relativamente aos serviços públicos, o chefe do Governo anunciou que irão manter-se “exclusivamente em funcionamento o atendimento por marcação nos demais serviços”.

Governo reforça confinamento. Assista em direto ao anúncio de António Costa

O Governo reuniu-se em Conselho de Ministros esta quinta-feira de manhã e anuncia agora a decisão de reforço do confinamento, que deverá abranger o fecho das escolas.

Da direita à esquerda: o que dizem os partidos sobre o fecho de escolas e universidades?

O PSD defende o encerramento das escolas, assim como o PAN e o CDS. O Iniciativa Liberal alerta para as responsabilidades que o executivo de Costa terá de assumir em caso do fecho dos estabelecimentos de ensino. PCP acredita ser ser “importante que as crianças e jovens tenham a escola a funcionar”.
Comentários