SPGM cria linha de crédito para apoiar eficiência energética das empresas

Esta linha destina-se às micro, pequenas e médias empresas e tem por objetivo apoiar as empresas na implementação de medidas que permitam a redução do consumo energético e a mudança das fontes energéticas fósseis para renováveis.

A SPGM – Sociedade de Investimento vai lançar uma linha para a Eficiência Energética, em conjunto com várias entidades de turismo e inovação. Esta linha destina-se às micro, pequenas e médias empresas e tem por objetivo apoiar as empresas na implementação de medidas que permitam a redução do consumo energético e a mudança das fontes energéticas fósseis para renováveis.

“A Linha para a Eficiência Energética permite apoiar operações de financiamento destinadas à substituição de equipamentos por outros mais inovadores, modernos e eficientes; implementar dispositivos de monitorização, de controlo e atuação que permitam otimizar as condições de uso e consumo de energia; e a reformulação e integração de processos, incluindo a troca de fonte de energia fóssil para energia proveniente de fontes renováveis”, explica a SPGM, em comunicado.

A linha vai ter um montante global de 100 milhões de euros, estando o montante máximo de operação por empresa limitado aos 2 milhões de euros. As operações de crédito vão beneficiar de uma garantia autónoma à primeira solicitação prestada pelas SGM, destinada a garantir até 80% do capital em dívida em cada momento do tempo. O montante global da linha tem um prazo de vigência de até 2 anos após o seu início.

Esta linha para a Eficiência Energética foi criada pela SPGM, em conjunto com o Programa Interface, o Turismo de Portugal, o Fundo de Inovação, Tecnologia e Economia Circular e as Sociedades de Garantia Mútua (SGM) – Agrogarante, Garval, Lisgarante e Norgarante.

Recomendadas

Nações Unidas alertam para aumento da fome mundial. Saiba como contrariar o flagelo

No Dia Mundial da Alimentação, a campanha “Fome Zero” lança várias ideias para a combater a fome mundial, numa altura em que 820 milhões de pessoas sofrem de desnutrição crónica, de acordo com as Nações Unidas.

OE2019: Governo vai cobrar mais 640 milhões de euros em impostos

O Governo estima arrecadar 45.635 milhões de euros com impostos em 2019, mais 640 milhões do que estima para 2018, devido a aumentos de receita nos impostos indirectos que garantirão mais 377 milhões de euros aos cofres estatais. A receita prevista com IRS e IRC tem um menor crescimento. E o IVA vai assegurar mais 723 milhões de euros de receita.

Já tenho 48 anos. É tarde para mudar de emprego?

É inevitável a mudança dos profissionais que quiserem continuar a estar ativos, afirma Lourdes Monteiro, co-autora de Quero, Posso e Mudo de Carreira, ao Jornal Económico. Recomendação: não coloquem idade nem fotografia no currículo, na hora de se candidatarem a um novo emprego.
Comentários