“Sr. primeiro-ministro, pare de se esconder”. CDS acusa PS de se comportar como “se fosse dono do Estado”

Sem nunca pedir a demissão de nenhum dos membros do Governo envolvidos, a vice-presidente e deputada do CDS Cecília Meireles acusou o PS de se comportar como “se fosse dono do Estado”, primeiro com o caso das nomeações de familiares para cargos governamentais, conhecido em abril, e agora com os contratos com o Estado por empresas de governantes.

O CDS-PP desafiou hoje o primeiro-ministro a “parar de se esconder atrás dos ministros” e de “pareceres jurídicos” e dar explicações sobre o caso dos contratos de empresas de familiares de governantes que a lei impede.

Sem nunca pedir a demissão de nenhum dos membros do Governo envolvidos, a vice-presidente e deputada do CDS Cecília Meireles acusou o PS de se comportar como “se fosse dono do Estado”, primeiro com o caso das nomeações de familiares para cargos governamentais, conhecido em abril, e agora com os contratos com o Estado por empresas de governantes.

“O que se espera do sr. primeiro-ministro é que pare de se esconder atrás dos pareceres jurídicos, dos seus ministros e que dê uma explicação e ponha cobro a isto”, afirmou Cecília Meireles aos jornalistas, na Assembleia da República, em Lisboa.

Por três vezes, a deputada afirmou que o CDS votou contra a alteração à lei de incompatibilidades e impedimentos em vigor, que retirou a proibição de empresas detidas por familiares de membros do Governo de fazer contratos com o Estado ou entidades públicas, como aconteceu com o filho do secretário de Estado da Proteção Civil, mas que só entrará em vigor em outubro, após as legislativas.

É uma alteração legal que, disse, “poderia por em causa a transparência e o combate ao nepotismo” e, por isso, os centristas votaram contra.

Relacionadas

Mais um caso polémico: Família direta de ministra da Cultura fez contratos com o Estado

Sobe para três o número de ministros cujos familiares directos celebraram contratos com o Estado. Empresas na qual pai, mãe, irmão e a própria ministra Graça Fonseca fez dois contratos no ano passado com o município de Lisboa, no valor de 22 mil euros.

Governo: “Caso do filho do secretário de Estado mostra bem o absurdo de uma interpretação literal da lei”

O Governo aponta que a lei de 1995 das incompatibilidades não respeita o “principio constitucional da proporcionalidade”. A lei já foi revista, e foi publicada hoje em Diário da República, entrando em vigor na próxima legislatura.

Pai de Pedro Nuno Santos também fez negócios com o Estado

“A Tecmacal não esta disponível para desvios da nossa atenção”, respondeu Américo Santos quando confrontado pelo “Observador” sobre os contratos com o Estado.
Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários