PremiumStanley Ho: Magnata do jogo dava cartas em tudo aquilo em que se metia

Milionário que nasceu em Hong Kong e fez renascer Macau sabia tudo o que era preciso para fazer fortuna numa zona em constante mutação. Stanley Ho passou por todos os regimes, por todos os amigos e por todos os negócios sem encalhar em nenhum. Reformou-se em 2018, com 96 anos.

Stanley Ho – que para facilitar é referido na imprensa portuguesa como o magnata do jogo de Macau – não jogava jogos de casino: o seu instinto de sobrevivência dir-lhe-ia que não era coisa segura ou, para ser segura, tem de se estar do lado do tipo que dá as cartas e não do lado do que as recebe.

Nascido em Hong Kong, no seio de uma família abastada, em 25 de novembro de 1921, a biografia de Stanley Ho tem todos os ingredientes para se transformar num romance de segunda categoria que sirva de guião a uma série de enorme sucesso. Estão lá todas as características essenciais: o início de vida e de fortuna angariada à custa do contrabando depois de uma fuga da terra natal para a muito mais pacata (e neutral) Macau; o envolvimento com o núcleo duro dos decisores locais; a participação no uso do jogo como elemento refundacional da própria cidade – que se converteu na “Las Vegas da Ásia”, ou vice-versa; e a evidência de que o seu gabinete passou a ser em determinada altura o hub onde estacionava uma parte substancial das decisões políticas, económicas e, sobretudo, político-económicas daquela tão longínqua quanto misteriosa parte da Ásia.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumRafał Trzaskowski: Impacto de Varsóvia pretende deixar a Polónia sem Lei e Justiça

Escolhido à última hora para tentar impedir a reeleição do presidente Andrzej Duda, aliado do governo nacionalista que domina o país, Rafal Trzaskowski conseguiu passar à segunda volta e procura apoios na minoritária esquerda polaca para chegar a chefe de Estado.

PremiumFórmula 1: ‘Circo’ acelera no Algarve e traz impacto de 30 milhões

Há 24 anos que não se ouve a Fórmula 1 em Portugal, mas a pandemia trouxe uma oportunidade. O CEO do circuito algarvio explica que o Estado terá de contribuir com até 36 milhões de euros.

PremiumRaquel Buenrostro: Cobradora dos fortes assume-se como a “Dama de Ferro” do Tesouro mexicano

Após 20 anos de carreira, Buenrostro chega à liderança da Administração Tributária do México com para contrariar a “tolerância” dos sucessores para com o incumprimento das obrigações fiscais das grandes empresas. “Agora sabem que se não pagarem são processadas”, adverte.
Comentários