Startup Coverflex dá mil euros anuais aos colaboradores para investirem em (melhor) teletrabalho

A ideia é que este orçamento extraordinário possa ser utilizado em despesas relacionadas com trabalho remoto, como aluguer de escritório ou espaço de ‘co-working’ ou o tradicional pagamento de internet móvel.

A startup portuguesa Coverflex, que desenvolveu um cartão de benefícios aos trabalhadores como subsídios de refeição ou seguros, vai oferece mil euros por ano a cada um dos seus colaboradores para que possam investir no regime de teletrabalho, seja a partir de casa ou mesmo em espaços de co-working, co-renting ou cafés e restaurantes.

“Vamos fazer uma experiência. Além dos 500 euros de orçamento de boas-vindas, lançamos um budget de mil euros que pode ser usado pelos Coverflexers [nome dado aos membros da equipa] que queiram trabalhar em qualquer das modalidades mencionadas anteriormente”, explica o responsável de Recursos Humanos (RH) da empresa, João Franqueira.

A medida aplica-se a todos os funcionários e surge depois de a Coverflex se aperceber de que algumas pessoas estavam abertas “a experimentar outros modelos de trabalho como co-working, co-renting de um escritório, trabalho a partir da praia”, entre outras hipóteses de trabalho remoto, conforme detalha o líder do departamento de RH.

O orçamento anual pode assim ser utilizado em despesas relacionadas com trabalho, como aluguer de escritório ou outro espaço/estabelecimento, bem como pagamento de internet móvel. “Estamos a usar esta experiência no contexto pandémico que vivemos e vai também funcionar como teste para avaliarmos a produtização deste benefício”, acrescenta João Franqueira.

Na semana passada, a Coverflex – que tem cerca de 50 pessoas a teletrabalhar partir de Portugal, Espanha, Holanda e Brasil – integrou a lista “100 Hottest Startups” da Europa em 2021, elaborada pela revista “Wired”, sendo uma das jovens empresas que mais chama a atenção no ‘Velho Continente’ segundo a edição britânica da publicação norte-americana.

Recomendadas

Lista do quadros do Montepio alerta que 57% dos associados não pode votar presencialmente

“Verificou-se que a atual Administração optou por deixar de fora do voto presencial os Associados dos Açores, Madeira, Faro, Évora, Beja, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Setúbal, Leiria, Aveiro, Coimbra, Viseu, Viana do Castelo, Bragança, Braga, Santarém e Vila Real”, alerta a lista liderada por Pedro Gouveia Alves.

Marcelo defende que Estado e privados se unam na reconstrução do turismo

“É necessário que os agentes privados e os poderes públicos tenham uma visão coletiva a médio prazo. Os privados sabem que a retoma da atividade turística requer um horizonte a vários anos. É bom que Estado partilhe essa necessidade de uma visão a médio e longo prazo para o turismo”, defendeu o Chefe de Estado.

5G: Com novas regras em vigor, propostas somam os 375,4 milhões

As propostas dos operadores no leilão 5G somaram hoje 375,4 milhões de euros, no 180.º dia de licitação principal, de acordo com os dados divulgados pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).
Comentários