Startup Keep Warranty e Ageas ‘seguram’ vouchers de negócios afetados pela pandemia

O mecanismo que as duas empresas criaram permite garantir o reembolso ao consumidor final dos valores dos ‘vouchers’ que não puderem ser utilizados porque a empresa responsável encerrou atividade.

Cristina Bernardo

A startup nacional Keep Warranty e o grupo segurador Ageas Portugal fizeram uma parceria para incentivar os consumidores portugueses a apoiar o comércio local e PME. Assim, quem adquirir vouchers da plataforma “Preserve”, para auxiliar negócios afetados pela Covid-19, passará a estar “seguro” a partir desta terça-feira.

O mecanismo que as duas empresas criaram permite garantir o reembolso ao consumidor final dos valores dos vouchers que não puderem ser utilizados porque a empresa responsável encerrou atividade. O seguro em causa não tem qualquer custo para o consumidor final, uma vez que é assegurado pela Ageas Seguros e vai estar disponível na aplicação móvel da Keep Warranty. Depois de comprar o voucher, o cliente entra na app com o email de registo da “Preserve” e consulta a apólice.

“A situação económica atual exige medidas concretas e que possam ajudar as empresas a fazer face aos seus custos fixos, numa altura em que estão privadas das suas fontes de receita habituais, garantido assim a manutenção dos postos de trabalho e a sobrevivência dos negócios”, explica a Ageas e a Keep Warranty em comunicado divulgado hoje.

A plataforma “Preserve”, que se insere no movimento tech4COVID19, está online desde o início de abril e ajudou até ao momento cerca de mil negócios portugueses, entre os quais cafés, restaurantes, cabeleireiros e outras lojas.

“Conhecendo de perto a realidade de alguns negócios locais e da economia nacional, a decisão de celebrar esta parceria e apoiar as PME através da plataforma Preserve foi muito fácil de tomar”, explica Steven Braekeveldt, CEO da Ageas Portugal. “Queremos que as pessoas se sintam seguras para ajudar os negócios locais, e com a rapidez que os tempos exigem, criar soluções com impacto positivo”, completa Romana Ibrahim, CEO da Keep Warranty.

Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

Covid põe cheques e levantamentos em dinheiro em mínimo de 20 anos. Compras com cartões em mínimo de 11 anos

Em abril, a redução do uso de cheques rondou os 45% em número e 48% em montante, face ao período homólogo, e as operações com cartões recuaram  42,9% em número e 28,8% em valor. A pandemia trouxe ainda o aumento dos pagamentos contactless e uma quebra dos levantamentos em dinheiro.

Imparidades do Novo Banco desaceleraram depois da venda à Lone Star

O Novo Banco constituiu menos novas imparidades depois da venda à Lone Star. O ano em que o banco constituiu maior volume de imparidades foi em 2017, ano da venda ao fundo norte-americano.
Comentários