Startup Lisboa procura empresas para explorar residências partilhadas no Hub Criativo do Beato

O concurso que vai decidir qual o operador/promotor do espaço de coliving do Hub Criativo do Beato foi aberto esta terça-feira. Os interessados devem candidatar-se até ao próximo dia 30 de junho e entregar as propostas até 8 de setembro.

A incubadora Startup Lisboa abriu esta terça-feira o concurso para escolher o operador/promotor responsável por explorar o espaço de coliving (alojamento residencial partilhado) do Hub Criativo do Beato.

A entidade gestora deste polo de empreendedorismo está à procura de propostas para o edifício histórico de 4.200 metros quadrados onde era a antiga Fábrica da Manutenção Militar. Conhecido como Edifício do Relógio ou Antigo Convento, a Startup Lisboa quer utilizá-lo para instalar habitações partilhadas para uso temporário de curta ou média duração.

“A cedência de espaço prevê que o investimento de requalificação, implementação e gestão dos espaços seja da total responsabilidade do promotor, sendo que o investimento elegível será amortizado na renda mensal. A cedência de utilização tem a duração de 20 anos, renovando-se automaticamente pelo prazo de cinco anos até ao limite máximo de 30 anos”, clarifica esta associação privada sem fins lucrativos, em comunicado.

Os critérios de avaliação serão a qualidade, o preço ao cliente, a valorização do património e o perfil dos promotores. O júri do concurso é constituído por Miguel Fontes (Startup Lisboa), Isabel Guerreiro (Câmara Municipal de Lisboa), Miguel Santo Amaro (Uniplaces), Fernando Mendes (Cowork Lisboa), Nuno Dantas Melo (MUSA) e ainda pelo administrador hoteleiro Bernardo Trindade e pela arquiteta Inês Lobo.

O objetivo é que o projeto do operador/promotor selecionado esteja a funcionar até ao final do próximo ano.

Recomendadas

PremiumMercado imobiliário dá sinais de recuperação após desconfinamento

Durante o período do confinamento, o setor imobiliário viu a sua atividade suspensa, mas a recuperação tem sido sólida, garantem os mediadores. Impacto da recessão ainda não se fez sentir.

Vistos Gold: Investimento cai 43% em julho para 56 milhões

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ recuaram 43% em julho, em termos homólogos, e diminuíram 37% face a junho, para 56 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nas estatísticas do SEF.

Custos de construção com aumento homólogo de 1,1% em junho

Em relação ao mês anterior regista-se um crescimento de 0,4 pontos percentuais (p.p.). Já o preço dos materiais e o custo da mão de obra apresentaram, respetivamente, variações de 0,6% e de 1,8% face ao período homólogo.
Comentários