Startup Lisboa procura empresas para explorar residências partilhadas no Hub Criativo do Beato

O concurso que vai decidir qual o operador/promotor do espaço de coliving do Hub Criativo do Beato foi aberto esta terça-feira. Os interessados devem candidatar-se até ao próximo dia 30 de junho e entregar as propostas até 8 de setembro.

A incubadora Startup Lisboa abriu esta terça-feira o concurso para escolher o operador/promotor responsável por explorar o espaço de coliving (alojamento residencial partilhado) do Hub Criativo do Beato.

A entidade gestora deste polo de empreendedorismo está à procura de propostas para o edifício histórico de 4.200 metros quadrados onde era a antiga Fábrica da Manutenção Militar. Conhecido como Edifício do Relógio ou Antigo Convento, a Startup Lisboa quer utilizá-lo para instalar habitações partilhadas para uso temporário de curta ou média duração.

“A cedência de espaço prevê que o investimento de requalificação, implementação e gestão dos espaços seja da total responsabilidade do promotor, sendo que o investimento elegível será amortizado na renda mensal. A cedência de utilização tem a duração de 20 anos, renovando-se automaticamente pelo prazo de cinco anos até ao limite máximo de 30 anos”, clarifica esta associação privada sem fins lucrativos, em comunicado.

Os critérios de avaliação serão a qualidade, o preço ao cliente, a valorização do património e o perfil dos promotores. O júri do concurso é constituído por Miguel Fontes (Startup Lisboa), Isabel Guerreiro (Câmara Municipal de Lisboa), Miguel Santo Amaro (Uniplaces), Fernando Mendes (Cowork Lisboa), Nuno Dantas Melo (MUSA) e ainda pelo administrador hoteleiro Bernardo Trindade e pela arquiteta Inês Lobo.

O objetivo é que o projeto do operador/promotor selecionado esteja a funcionar até ao final do próximo ano.

Recomendadas

Gestora de alojamento local supera 30 mil hóspedes em Portugal

A GuestReady entrou no mercado português no final de 2018 já registou um total de 315 propriedades geridas, tendo ajudado 205 proprietários no país a rentabilizar os seus imóveis.

‘Vistos Gold’: Retirar Lisboa e Porto é “sinal negativo para investidores”, diz APEMIP

A medida apresentada pelo PS foi rejeitada pela associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal que considera que a medida vai no sentido de tentar travar a procura no mercado, em vez de promover o aumento da oferta.

Avaliação das casas sobe para 1.321 euros/m2 em dezembro e fixa novo recorde

Este valor representa um aumento de nove euros face ao mês anterior. O valor médio da avaliação anual situou-se nos 1.286 euros/m2 , representando um crescimento de 7,9% relativamente ao ano anterior.
Comentários