Startup Lisboa procura empresas para explorar residências partilhadas no Hub Criativo do Beato

O concurso que vai decidir qual o operador/promotor do espaço de coliving do Hub Criativo do Beato foi aberto esta terça-feira. Os interessados devem candidatar-se até ao próximo dia 30 de junho e entregar as propostas até 8 de setembro.

A incubadora Startup Lisboa abriu esta terça-feira o concurso para escolher o operador/promotor responsável por explorar o espaço de coliving (alojamento residencial partilhado) do Hub Criativo do Beato.

A entidade gestora deste polo de empreendedorismo está à procura de propostas para o edifício histórico de 4.200 metros quadrados onde era a antiga Fábrica da Manutenção Militar. Conhecido como Edifício do Relógio ou Antigo Convento, a Startup Lisboa quer utilizá-lo para instalar habitações partilhadas para uso temporário de curta ou média duração.

“A cedência de espaço prevê que o investimento de requalificação, implementação e gestão dos espaços seja da total responsabilidade do promotor, sendo que o investimento elegível será amortizado na renda mensal. A cedência de utilização tem a duração de 20 anos, renovando-se automaticamente pelo prazo de cinco anos até ao limite máximo de 30 anos”, clarifica esta associação privada sem fins lucrativos, em comunicado.

Os critérios de avaliação serão a qualidade, o preço ao cliente, a valorização do património e o perfil dos promotores. O júri do concurso é constituído por Miguel Fontes (Startup Lisboa), Isabel Guerreiro (Câmara Municipal de Lisboa), Miguel Santo Amaro (Uniplaces), Fernando Mendes (Cowork Lisboa), Nuno Dantas Melo (MUSA) e ainda pelo administrador hoteleiro Bernardo Trindade e pela arquiteta Inês Lobo.

O objetivo é que o projeto do operador/promotor selecionado esteja a funcionar até ao final do próximo ano.

Recomendadas

Quase 100% das imobiliárias registam quebras na procura e negócios

Inquérito realizado pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) às imobiliárias revela quebras na procura e nos negócios provocadas pelo surto do coronavírus.

Avaliação das casas subiu para os 1.337 euros por metro quadrado em fevereiro

Este valor regista um aumento de mais sete euros do que o observado no mês anterior e um crescimento de 0,5% relativamente a janeiro e de 7,9% face ao mesmo mês do ano anterior.

João Duque: “Os preços das casas podem vir a cair por aí abaixo”

Economista fala em “paragem absoluta” no mercado. Agentes, inquilinos, proprietários e consultores pintam ao JE um cenário dramático.
Comentários