Startup portuguesa Newton.ai expande negócio para a Arábia Saudita

A empresa que recorre à inteligência artificial para recrutamento venceu ainda uma competição saudita na qual participaram 300 concorrentes. Hélder Silva é o investigador e empresário por trás desta tecnológica que nasceu em Oxford e opera a partir de Silicon Valley.

A startup Newton.ai, criada pelo investigador e empresário português Hélder Silva, está a dar cartas no Médio Oriente. A empresa anunciou esta segunda-feira que entrou no mercado saudita para combater a subida da taxa de desemprego do país e venceu 25 mil dólares (cerca de 21 mil euros) numa competição que reuniu 300 participantes nos Emirados Árabes Unidos.

A Newton.ai venceu o concurso “Human Resources Challenge”, organizado pela Autoridade Geral das PME da Arábia Saudita e pelo centro de investigação Thakaa Center, conquistando um leque de jurados constituído por investidores, empreendedores e líderes de tecnológicas locais. O júri distinguiu a tecnologia de ponta com ADN português que permite criar listas selecionadas de candidatos interessados num emprego qualificados para qualquer oferta de trabalho, através de Inteligência Artificial (IA).

O chatbot utiliza esse processamento para ler a informação de cada oferta de trabalho assim como a informação dada pelos candidatos, fazendo  com que a Newton.ai compreenda, por exemplo, que pessoas que desempenharam funções como “motorista de camião” e “estafeta de entregas” possam ser indicadas para o mesmo perfil de oferta de emprego, conseguindo também aferir o nível de senioridade através das expectativas salariais.

“O que estamos a fazer de inovador é listar uma oferta de trabalho pelas competências necessárias e não pelo seu sentido literal. A ideia é cortar com todas as barreiras que impedem um candidato de chegar à sua oportunidade de emprego ideal. A beleza desta tecnologia é que para além de nos trazer uma solução que apresenta os melhores candidatos especificamente para aquela oferta, consegue fazê-lo em cerca de 20 minutos e livre de bias”, explica Hélder Silva, CEO da Newton Labs, que fundou em 2018.

A empresa, que nasceu na Universidade de Oxford e opera a partir de Silicon Valley, alega que, assim, gera uma redução dos custos de recrutamento para as organizações em mais de 80%.

Ao longo dos últimos dois anos, a Newton recebeu investimento de mais de 400 mil dólares (aproximadamente 339 mil euros) por parte de entidades como a Universidade de Oxford ou a japonesa Will Group. À parte Portugal e Arábia Saudita, está presente nos Estados Unidos e no Japão e conta com multinacionais como a Nike, a Hitachi ou a SAPTCO na lista de clientes.

“Agora, mais do que nunca, há um sentimento de urgência no sentido de resolver o problema global de match no mercado de trabalho para mitigar o desemprego”, explicou Talal Al Sorayai, um dos primeiros investidores da Newton.ai nos Estados Unidos.

Ler mais
Recomendadas

Prémios EEPA: Estes são os projetos que vão representar Portugal na final europeia

“Portugal Bike Value” e “HOSPES by AHP” foram os dois vencedores nacionais dos European Enterprise Promotion Awards 2020, uma iniciativa da Comissão Europeia que é coordenada pelo IAPMEI.

Premium‘Business angels’ alertam que OE não promove investimento

Entidades que representam estes investidores em Portugal apresentaram ao Governo várias propostas para estimular investimento em startups e PME.

Startup francesa quer construir a maior fazenda de insetos do mundo

A Ynsect cria refeições de minhocas que produzem proteína para gado, comida de animais de estimação e fertilizantes, e vão usar os fundos para construir o que dizem vir a ser a maior ‘quinta de insetos’ do mundo.
Comentários