Startup Speak recebe 98 mil euros da escocesa Chivas Regal

Pela primeira vez, Portugal esteve representado no ‘pitch’ final da competição internacional organizada da marca de whisky. A grande vencedora da a startup mexicana Xilinat, que arrecadou mais de 275 mil euros.

Portugal esteve, pela primeira vez, representado no pitch final da competição internacional de empreendedorismo Chivas Venture. Lado-a-lado com mais 19 startups, a Speak conquistou o terceiro lugar da prova e a quarta posição na votação online, acabando por ganhar um total de 110 mil dólares (cerca de 98 mil euros).

“Tivemos a oportunidade de levar o tema de inclusão social a um palco mundial com bastante visibilidade. É um privilégio e algo raro. Com este prémio vamos conseguir dar suporte a 10 pessoas migrantes ou refugiadas a abrirem o Speak nas suas novas cidades, criarem o seu próprio emprego e conseguir impactar mais 8 mil pessoas anualmente nessas cidades”, disse Hugo Menino Aguiar, cofundador e CEO da empresa nacional, no evento que se realizou em Amesterdão.

A Speak procura ligar migrantes, refugiados e locais que vivem na mesma cidade, através de intercâmbios de línguas, eventos multiculturais, jogos de grupo, entre outros programas organizados pela comunidade. “O grande objetivo é aumentar a probabilidade de as pessoas, no mundo offline, criarem relações umas com as outras e derrubarem estigmas e estereótipos enquanto estão a aprender e a ensinar”, explicou, em entrevista ao Jornal Económico, Hugo Menino Aguiar.

A empresa foi criada em 2017, mas o Speak enquanto projeto foi apresentado em setembro de 2014, enquanto associação antes do spin-off. Na prática, pretende desenvolver planos para que os estrangeiros residentes em Portugal façam amigos ou conheçam novas pessoas e, consequentemente, arranjem resposta para as suas principais dúvidas do quotidiano (que podem variar da localização do supermercado o mais próximo à preparação de um currículo ou ao acesso ao Serviço Nacional de Saúde).

“Funciona de uma forma muito simples. Imagina: a Fátima, da Líbia, chega a Lisboa e inscreve-se para aprender Português e Inglês, mas também se pode inscrever para ajudar outros a aprender Árabe, a língua materna dela”, exemplifica ao jornal o ainda diretor da associação Fazer Avançar.

Apesar da boa prestação nacional, a grande vencedora do Chivas Venture 2019 foi a mexicana Xilinat, que levou da Europa para a América do Sul 310 mil dólares (aproximadamente 276 mil euros). A startup desenvolveu uma solução para converter o desperdício agrícola num substituto do açúcar, com menos calorias, de forma a transformar esta indústria.

Em destaque estiveram ainda a polaca Syntoil, que trabalha para combater o problema ambiental dos resíduos de borracha de pneus usados, a holandesa Tykn, que aproveita a blockchain para apoiar imigrantes, e a norte-americana Copia, cujo trabalho passa por combater a fome e o desperdício alimentar com uma plataforma digital que ajuda as empresas a medir o seu excedente alimentar. A tripla recebeu 250 mil dólares, 50 mil dólares e 50 mil dólares, respetivamente.

A dona da marca de whisky escocês Chivas Regal já doou 4 milhões de dólares (perto de 3,5 milhões de euros) nos últimos quatro anos através deste concurso de inovação.

Ler mais
Relacionadas

Startup portuguesa vai à Holanda tentar conquistar prémio pelo apoio a refugiados

A startup vai à cidade britânica de Oxford participar num programa de aceleração e, de seguida, segue para a final internacional do concurso da Chivas Regal, em Amesterdão.
Recomendadas

Startup portuguesa quer alterar modo de recrutar em tecnologia

Nova plataforma online destinada a “contractors” chega em outubro e chamar-se-á “Landing.work”. Pedro Oliveira, cofundador da empresa por trás desta marca, refere ao Jornal Económico que o lançamento surgiu depois dE perceber que “Mais de 50% dos trabalhadores de TI em Portugal trabalham em regime de outsourcing e/ou staffing”.

Digitalização permite aproximar interior de “novos investimentos”, diz vice-presidente da IP Bragança

O que faz falta é que o interior afirme as suas qualidades: melhor nível de vida, mais tempo, menos tensão. As autoestradas digitais tornam a geografia um mero pormenor.

Sound Particles: “Investidores não querem saber se somos da Europa ou de Silicon Valley”

Nuno Fonseca, CEO da startup portuguesa que viu o software ser usado na produção da “Guerra dos Tronos” criou a empresa em Leiria, mas, neste momento, 60% dos clientes são da Califórnia.
Comentários