STCP aumenta prejuízos em 74% para 3,2 milhões

As receitas seguiram um rumo de crescimento, ao situarem-se nos 49,5 milhões de euros em 2019, representando um aumento de 3,4% face a 2018 – uma tendência de crescimento que se verifica “pelo quarto ano consecutivo”.

A Assembleia Geral da STCP – Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, o maior operador de transportes públicos na Área Metropolitana do Porto, revelou que a empresa atingiu um resultado líquido negativo de 3,2 milhões de euros, registando um agravamento de 1,3 milhões de euros (74%) face ao ano anterior.

As receitas seguiram rumo contrário, ao situarem-se nos 49,5 milhões de euros em 2019, representando um aumento de 3,4% face a 2018 – uma tendência de crescimento que se verifica “pelo quarto ano consecutivo”, revela comunicado oficial.

A empresa de transportes públicos encerrou o ano de 2019 com o EBITDA recorrente positivo de 3,5 milhões de euros, representando uma melhoria face a 2018 de 1,5 milhões de euros (80%). Em 2019 o resultado operacional corrente foi negativo em 1,2 milhões de euros, apresentando uma melhoria de 521 mil euros (30%) face a 2018.

No ano de 2019, a STCP transportou um total de 76,7 milhões de passageiros, o que corresponde a um crescimento de 4,5% (3,3 milhões) quando comparado com o ano anterior. “Este crescimento explica-se essencialmente pela disponibilização das novas tarifas sociais, a partir de 1 de abril, no âmbito do Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos (PART), que incentivaram a procura do transporte público e pelo aumento do cumprimento do serviço previsto”.

O ano de 2019 ficou marcado pela manifestação pelas partes interessadas, Estado Português, Área Metropolitana do Porto, municípios servidos pela rede de transporte da empresa –  Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Valongo e Vila Nova de Gaia – e STCP, de proceder à Intermunicipalização da STCP.

“A concretização da expressão desta vontade verificou-se, em 28 de agosto de 2019, com a celebração do Memorando de Entendimento sobre a Intermunicipalização da STCP, e com a publicação do Decreto-Lei nº 151/2019, de 11 de outubro, que opera a intermunicipalização da STCP, entretanto adiada pelo Decreto-Lei nº 175/2019, de 27 de dezembro”.

Durante o ano passado foi realizado um investimento de 16,3 milhões de euros, valor que compara com 14,7 milhões do ano anterior. “Neste indicador destaque para a aquisição de novos autocarros, no âmbito do programa de renovação da frota, que representa 81% do total do investimento realizado. A construção do novo posto de abastecimento de gás natural na Estação de Recolha de Francos e a instalação de postos de carregamento de energia elétrica, correspondem a 16%”.

Duante o ano passado foi dada continuidade ao Programa de Renovação da frota da STCP, iniciado em 2018. No final do ano estavam rececionados 15 autocarros elétricos, a totalidade da encomenda, e 94 autocarros a gás natural, completando 109 novos autocarros (58%) do total dos 188 previstos para a primeira fase de renovação da frota de autocarros da STCP, que conta com o cofinanciamento, a título não reembolsável, do POSEUR Portugal 2020 – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos.

A empresa continuou a assentar a sua atividade na qualidade da gestão dos seus recursos humanos, integrando o seu quadro de pessoal (não incluindo órgãos sociais), a 31 de dezembro de 2019, 1.289 trabalhadores, o que corresponde a um aumento de efetivo face ao período homólogo de 2018, de 18 colaboradores.

Ler mais
Recomendadas

Luís Filipe Vieira recandidata-se à presidência do SL Benfica

O dirigente máximo dos ‘encarnados’ fez a revelação na reunião dos órgãos sociais que teve lugar esta terça-feira e assumiu-se como candidato à presidência do clube. Caso seja reeleito, poderá manter-se à frente das ‘águias’ até outubro de 2024.

EDP: Despacho de juiz alude a troca de favores entre Mexia e Manuel Pinho

Segundo o MP, foi também acordado, que da parte do ministro haveria a concessão de benefícios indevidos à EDP, através do exercício das suas funções públicas, tendo como contrapartida o apoio da EDP à sua carreira profissional e académica quando saísse do Governo.

CIP apela à aprovação do plano de recuperação: “Previsões de Bruxelas são um novo sinal vermelho”

A Confederação Empresarial de Portugal defende ainda a “rápida” intervenção do Governo português, que passa pela criação de uma ‘bazuca’ nacional’ “que faça mesmo a diferença”.
Comentários