STOP entrega pré-aviso de greve que abrange professores e auxiliares de todos os níveis de ensino

Sindicato de Todos os Professores diz que “caso seja necessário, está preparado para efetivar uma greve de forma a proceder de acordo com os superiores interesses de todos os que trabalham e estudam”.

O coordenador nacional do Sindicato de Todos os Professores (STOP), André Pestana, disse à agência Lusa que entregou um pré-aviso de greve, que terá efeito a partir de 01 de fevereiro e é extensível a todos os profissionais de educação, entre professores e auxiliares, de todos os níveis de ensino, incluindo o ensino superior.

“Enviamos os pré-aviso de greve no fim de semana e abrange todos os profissionais de educação. Se o Governo não encerrar as escolas os profissionais terão assim uma ferramenta legal para o fazer. Não somos carne para canhão e exigimos respeito por nós e pelos profissionais de saúde também “, justificou.

Segundo o STOP, a “a situação de emergência nacional, com risco de o Sistema Nacional de Saúde entrar em colapso” e a “atitude irresponsável do Governo em manter as escolas abertas, ao contrário do que a esmagadora maioria dos médicos e cientistas defende” não deixam alternativa a não ser a convocação deste greve.

No seu site, o STOP informa ter iniciado esta terça-feira, 19 de janeiro, um inquérito para aferir a posição dos profissionais de educação relativamente ao encerramento das escolas assim como a dimensão desse desejo. A sondagem terminará dia 24 de janeiro e “caso seja necessário, o STOP está preparado para efetivar uma greve de forma a proceder de acordo com os superiores interesses de todos os que trabalham e estudam”, acrescenta.

De lembrar que a Fenprof, maior sindicato de professores do país, afeto à CGTP, pediu esta terça-feira ao Governo que suspenda as atividades das escolas.

O SIPE (Sindicato Independente de Professores e Educadores) foi o primeiro a dizer que “não concordava com a decisão de não fechar as escolas”.

Ler mais
Recomendadas

Primeiro-ministro: “É natural que o desconfinamento comece pelas escolas”

António Costa recordou esta sexta-feira Governo “resistiu” até à última hipótese ao encerramento das escolas por causa do entrave que implica no desenvolvimento e no processo de aprendizagem dos alunos.

Um terço das famílias obrigadas a gastar mais de 100 euros em equipamento e apoio para aulas online

Uma em cada três famílias portuguesas foi obrigada a investir uma média de 103 euros por criança em equipamentos e apoio ao ensino neste segundo confinamento geral. Conclusão é do inquérito “Impacto da Escola Digital na Dinâmica das Famílias”, realizado pela Fixando entre 12 e 17 de fevereiro, junto de 8.700 famílias.

Software para ensinar programação UBBU recebe mais de um milhão de euros

Este apoio atribuído ao UBBO – o “maior Título de Impacto Social de sempre” da Portugal Inovação Social – será usado para aumentar o nível de literacia digital dos alunos.
Comentários