PremiumSuba: A um nível superior

E na freguesia de Santa Catarina, no bairro da Bica, junto ao miradouro do Adamastor, que se localiza um dos tesouros menos conhecidos da capital, o Hotel Verride Palácio Santa Catarina.

E na freguesia de Santa Catarina, no bairro da Bica, junto ao miradouro do Adamastor, que se localiza um dos tesouros menos conhecidos da capital, o Hotel Verride Palácio Santa Catarina. O edifício, do século XVIII, foi dos poucos que resistiu ao terramoto de 1755. O conde de Verride ali viveu no início do século XX e conferiu-lhe uma roupagem palaciana. Após atribulações várias, foi adquirido à CGD pelo actual proprietário, conhecido como Mr. Kees, após uma epopeia judicial de 11 anos, mais seis anos e meio de obras de renovação.

Abriu as portas em janeiro de 2018 e além dos seus 19 quartos, incluindo duas suites reais, salas de reuniões e para eventos, piscina e jardim, notabiliza-se também pelo restaurante Suba, que nos últimos tempos associou ao seu espaço interior (capacidade para 30 pessoas) uma esplanada exterior (mais 20 lugares), com uma das vistas mais altaneiras e bem localizadas sobre o casario pombalino da capital e o estuário do Tejo, alongando-se até à margem Sul. Para desfrutar à potência máxima no miradouro pode subir mais dois lanços de escadaria metálica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumAnne Hidalgo: mais uma espanhola interessada no trono de França

Não é a primeira espanhola de nascimento que tenta chegar longe na chauvinista política caseira gaulesa – o ex-primeiro-ministro Manuel Vals, um catalão, faz disso prova viva sem ter de se ir aos compêndios de História Medieval – mas a atual ‘maire’ de Paris propõe-se não só chegar à Presidência da República francesa, como, antes disso, produzir o verdadeiro milagre de fazer renascer o Partido Socialista francês das cinzas onde o ex-Presidente François Hollande o deixou vai para quatro anos.

PremiumMarcantonio del Carlo: “Esta é uma profissão em que é preciso suar, chorar, mas também ter sorte”

O italiano, de 55 anos, radicado em Portugal desde os 15, está em digressão com a peça “Amado Monstro”, na qual, além de intérprete, é o responsável pela adaptação para português. Integra ainda o elenco do remake de “O Pai Tirano”, que estreia este ano e será também uma minissérie na SIC, em 2022. Mas é como argumentista que mais se “realiza na totalidade enquanto artista”. É nesse papel que define assim: “Só sou eu, ideias, histórias e um teclado de computador. Tudo depende só de mim até chegar a um palco ou a um plateau.”

Primeiro single do novo álbum de Rod Stwart já está disponível

Neste álbum, “The Tears Of Hercules”, voltou a trabalhar com Kevin Savigar, o teclista e vocalista que co-produziu os seus três últimos álbuns de estúdio: “Time” (2013), “Another Country” (2015) e “Blood Red Roses” (2018).
Comentários