Subida de preço da eletricidade ameaça retirar multinacional do país (com áudio)

“Temos conhecimento de empresas que estão a ponderar a relocalização para países onde os custos com a energia sejam inferiores. Há, pelo menos, uma multinacional, que tem produção em Portugal e está a pensar deslocalizá-la por causa dos preços”, disse Luís Miguel Ribeiro, presidente da AEP, ao “Negócios”.

A subida do preço da eletricidade em Portugal já começou a apresentar impacto na atividade das empresas nacionais, sendo que a Associação Empresarial de Portugal (AEP) apontou ao “Jornal de Negócios” que tem conhecimento de uma multinacional que pondera mudar-se para outros países com custos mais baixos.

“Temos conhecimento de empresas que estão a ponderar a relocalização para países onde os custos com a energia sejam inferiores. Há, pelo menos, uma multinacional, que tem produção em Portugal e está a pensar deslocalizá-la por causa dos preços”, disse Luís Miguel Ribeiro, presidente da AEP, à publicação.

O responsável da associação admite que a escalada de preços, que atingiu os 288,53 euros por MWh no início de outubro no mercado ibérico, levam a um grande impacto na competitividade da atividade. A AEP já alertou o Ministério da Ambiente e o Governo para o aumento dos preços, visto que está a pôr em causa a carteira de encomendas e compromissos assumidos por empresas nacionais, tendo pedido solidariedade e abdique de uma parte da receita fiscal.

Relacionadas

Elevado custo na produção de eletricidade combate-se produzindo energia limpa, sustenta Matos Fernandes

“Projetos como estes vão tornar o preço da eletricidade mais estável e mais barato. Porquê? Porque a produção de eletricidade a partir de fontes renováveis é muito mais barata do que a partir dos combustíveis fósseis”, explicou o governante aos jornalistas, à margem da cerimónia de inauguração da estrutura.

Crise energética ameaça preços dos alimentos e impacta nas várias indústrias

A crise de energia na China já afeta o mundo desde os alimentos aos iPhones. Por cá, a Associação Empresarial do Minho alertou hoje o Governo que o aumento “exponencial” dos custos da energia pode “representar o princípio do colapso da competitividade das empresas portuguesas, nomeadamente do setor industrial”. A isto junta-se a crise dos semicondutores.

Certificado energético: o que é e como pedir?

O Certificado Energético é um documento obrigatório quando compra casa. Saiba qual o custo, como pedir e quais as implicações de não estar atualizado.

Cimpor instala parques fotovoltaicos nas três unidades em Portugal

“A Cimpor vai investir na instalação de um parque fotovoltaico em cada uma das suas três unidades de produção em Portugal (Alhandra, Souselas e Loulé)”, indicou, em comunicado a empresa que produz e comercializa cimentos.

Iberdrola e Prosolia investem 850 milhões de euros em projectos solares em Portugal e Espanha

A parceria entre as duas empresas contempla quatro centrais solares em Espanha e uma mega-central solar em Portugal, em Santiago do Cacém.

Governo garante que Portugal tem “almofadas” para “inibir o aumento do preço da eletricidade” (com áudio)

No dia em que os preços no Mibel bateram hoje um novo recorde de 130,53€/megawats/h (MWh), o ministro do Ambiente frisa que Portugal tem “muitas almofadas” para contrariar aumento do preço da eletricidade, frisando que o preço foi reduzido em 11% com este Governo.
Recomendadas

Ibersol avança com aumento de capital que propicia encaixe até 40 milhões

A empresa que detém a Pizza Hut, KFC, Taco Bell e Burger King anunciou um aumento de capital num montante máximo de 40 milhões de euros. A empresa quer ainda distribuir 20% dos lucros anuais consolidados.

Galp entra no solar no Brasil com a compra de dois projetos de 594 megawatts

A Galp vai entrar nas renováveis no Brasil. A empresa portuguesa acordou a aquisição de dois projetos solares, com uma capacidade total de 594 megawatts de potência.

Goldman Sachs vê EDP a fechar terceiro trimestre com lucros de 505 milhões

Resultados da elétrica nos primeiros nove meses do ano ficariam acima dos 420 milhões do período homólogo de 2020, estima a Goldman Sachs. Mas com o EBITDA a descer, para os 2,48 mil milhões de euros.
Comentários