Subsídios para funerais têm atrasos que podem chegar a um ano

As funerárias falam em atrasos que podem ir de seis a doze meses e garantem que já há empresas com dificuldades de tesouraria. A Segurança Social nega qualquer atraso no pagamento dos subsídios.

As duas associações que congregam empresas funerárias indicam que o subsídio por morte, com o qual as famílias pagam o funeral de familiares falecidos, está a ser pago cada vez mais tarde. As funerárias falam em atrasos que podem ir de seis a doze meses e garantem que já há empresas com dificuldades de tesouraria, avança o “Jornal de Notícias”.

“Antes da troika, o Centro Nacional de Pensões pagava em dois ou três meses, no máximo. Agora, a maioria das vezes demora quatro ou cinco meses ou mais. Infelizmente, o prazo de pagamento está cada vez pior”, afirma Carlos Almeida, presidente da Associação Nacional de Empresas Lutuosas. Vítor Cristão, presidente da Associação de Agentes Funerários de Portugal, diz ainda que “são atrasos atrás de atrasos” e há “muitos clientes à espera”.

Em causa estão o subsídio por morte (valor pago aos familiares, para compensar despesas decorrentes da morte da pessoa) ou o subsídio por despesas de funeral (caso o enterro seja pago por outra pessoa que não o familiar), ambos no valor de 1.287, este ano.

A Segurança Social descarta as queixas e fala de normalidade no pagamento das prestações sociais por morte. Ao “JN”, fonte oficial do Ministério da Segurança Social assegurou, em janeiro deste ano, que “o pagamento médio de diferimento para o reembolso das despesas de funeral e para o subsídio por morte era de 75 dias”. Já o subsídio por morte era despachado pela Segurança Social, em 17 dias.

Relacionadas

Teresa Fragoso: “A igualdade tem de fazer parte das principais atividades dos serviços públicos”

Nos últimos 40 anos, tem sido percorrido um longo caminho no sentido da paridade entre mulheres e homens. Em entrevista ao Jornal Económico, a presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género explica o que tem sido feito para acelerar essa mudança e o que falta fazer.
Recomendadas

Novos limites da pesca da sardinha variam entre 1.575 e 4.725 quilogramas

Para as embarcações com comprimento superior a nove metros e inferior ou igual 16 metros o limite é 3.150 quilos (150 cabazes, quando aplicável).

OCDE admite que aumento da inflação pode persistir durante “algum tempo”

OCDE estima que os preços globais das ‘commodities’ em julho e agosto deste ano foram cerca de 55% mais altos do que no ano anterior. Organização admite que os aumentos dos preços das matérias-primas irá “demorar a desaparecer”.

Administradores de insolvência da Groundforce propõem manutenção da empresa

Bruno Costa Pereira e Pedro Pidwell indicam ainda que “se viu interposto recurso, por parte da devedora, da sentença que declarou a sua insolvência, o que, atento o disposto no art.º 209.º, n.º 2, do CIRE, levará a que a nova assembleia de credores para discutir e votar o plano possa não vir a reunir no ‘timing’ que seria desejável”.
Comentários