Suíça pediu ajuda a Rui Pinto para investigar presidente da FIFA

O procurador Damian K. Graf de Valais contactou o criador do ‘Football Leaks’ e explica que tem aberta uma investigação face às alegações de que Gianni Infantino teria atribuído vantagens indevidas ao magistrado suíço Rinaldo Arnold, de forma a conseguir reunir-se em segredo com a figura máxima do Ministério Público, Michael Lauber, revela o “Público”.

​AFP/​Getty Images

As autoridades suíças queriam descobrir informações incriminatórias sobre o presidente da FIFA, Gianni Infantino, e para avançarem com uma investigação, pediram ajuda à pessoa que estava por trás da página ‘Football Leaks’, o hacker português Rui Pinto.

O “Público” denuncia que a justiça suíça enviou um e-mail a Rui Pinto no final de 2018, tendo este sido adicionada ao processo que decorre em Portugal, onde o hacker responde por 90 crimes.

O procurador Damian K. Graf de Valais contactou o criador do ‘Football Leaks’ e explica que tem aberta uma investigação face às alegações de que Gianni Infantino teria atribuído vantagens indevidas ao magistrado suíço Rinaldo Arnold, de forma a conseguir reunir-se em segredo com a figura máxima do Ministério Público, Michael Lauber. O encontro – ou vários, como suspeitam as autoridades – terá servido para fazer desaparecer uma investigação sobre a concessão de um contrato de direitos televisivos a uma empresa offshore. 

Graf solicitou ao hacker português “quaisquer documentos relevantes sobre as alegações supramencionadas, particularmente quaisquer e-mails trocados entre Gianni Infantino e Rinaldo Arnold, assim como quaisquer e-mails que mencionem Rinaldo Arnold”. Uma semana após a mensagem, Rui Pinto terá mostrado vontade de facultar tais documentos mas o contacto teria de ser realizado através do seu advogado William Bourdon.

A detenção do português aconteceu menos de um mês após a troca de correspondência com Damian K. Graf, mas a investigação as autoridades suíças ainda conseguiu concluir que Lauber era “culpado de ter violado várias funções do cargo” e de se ter reunido com Infantino em três ocasiões distintas.

Recomendadas

Eduardo Cabrita alega no inquérito que não deu indicação sobre velocidade na A6

O ministro demissionário da Administração Interna, Eduardo Cabrita, disse no inquérito do processo em que o seu motorista está acusado de homicídio por negligência que não deu “qualquer indicação quanto à velocidade a adotar” pela viatura.

Paulo de Cunha e Sá: “Não queremos competir com a oferta formativa das universidades”

Constituída com uma entidade autónoma do escritório ibérico e com marca própria, esta academia garante que não chega para falar “legalês” dos juristas nem para competir com a oferta das universidades portuguesas e internacionais, garantiu o advogado Paulo de Sá e Cunha, sócio da Cuatrecasas Portugal no programa “Falar Direito”, da plataforma multimédia JE TV.

Iniciativa Liberal pergunta se António Costa se considera “um mero passageiro do seu Governo”

Liberais reagiram às declarações de Eduardo Cabrita, que disse “sou só um passageiro” após o motorista da viatura oficial que o transportava, em excesso de velocidade, ser acusado de homicídio por negligência devido ao atropelamento mortal de um funcionário que tratava da manutenção da autoestrada A6.
Comentários