“Super-humanos” vão substituir o homem comum. Previsão é de Stephen Hawking

Físico britânico deixou uma série de artigos onde afirma que, ainda este século, humanos geneticamente modificados e mais capazes em todas as áreas vão acabar com o homem como hoje o conhecemos. O tema é assunto de um livro a editar esta terça-feira.

O físico britânico Stephen Hawking, cujo falecimento foi anunciado em março deste ano, previu que os avanços na engenharia genética vão levar à criação de uma raça de super-humanos. Não é o primeiro a antever essa possibilidade, mas Hawking deixou a opinião de que essa raça modificada acabará por destruir a humanidade – função que outros consideram estar nas mãos da máquinas inteligentes do futuro.

“Acredito que durante este século, as pessoas vão descobrir como modificar a inteligência e os instintos, tal como a agressão. ​​​Vão ser criadas leis contra a engenharia genética em humanos, mas algumas pessoas não vão ser capazes de resistir à tentação de melhorar as características humanas como a memória, a resistência a doenças e a longevidade da vida”, escreveu Stephen Hawking num conjunto de artigos e ensaios até agora inéditos.

Num tema que é usual nos livros de ficção – alguma científica outra meramente especulativa – o físico britânico assume a opinião segundo a qual as pessoas mais ricas vão em breve poder editar o seu próprio ADN e o dos seus filhos com o objetivo de “criar super-humanos com uma memória gigantesca, resistência a doenças, inteligência e longevidade.

O assunto, que remete para um dos últimos livros do escritor norte-americano Don Delillo, é revelado pelo jornal ‘The Sunday Times’ e faz parte de uma obra póstuma que será publicada esta terça-feira, intitulada ‘Brief Answers to the Big Questions’ (‘Breves Respostas para as Grandes Questões’).

O britânico, que sofria de esclerose lateral amiotrófica diagnosticada aos 21 anos, refere que “”assim que os super-humanos aparecerem vai haver problemas políticos significativos com os humanos que não foram melhorados, que não serão capazes de competir”, e que estes, uma vez subalternizados pelos ‘novos’ super-homens, vão, presumivelmente, “acabar por morrer ou deixar de ter importância”.

Relacionadas

Último estudo científico de Stephen Hawking já foi publicado

O artigo foi concluído por colegas das universidades de Cambridge e Harvard e centra-se no paradoxo da informação dos buracos negros.

A Inteligência Artificial pode contribuir para um mundo melhor?

É importante ter em mente que não queremos uma relação de competição: “homem vs máquina”, mas sim uma relação de colaboração, mas será que a sociedade conseguirá controlar isso?

Stephen Hawking: Uma vida sempre sob o signo da Física

Stephen Hawking morreu esta quarta-feira, 14 de março, em Cambridge. O homem que nasceu no mesmo dia em que morreu Galileu Galilei desapareceu na data em que se celebravam os 139 anos do nascimento de Einstein.
Recomendadas

Barragem do Fridão: Marques Mendes diz que Governo não vai avançar com construção

O comentador revelou que o Governo vai travar o projeto, contudo falta saber como indemnizar a EDP.

Uber pode comprar rival saudita Careem Networks por 2,6 mil milhões de euros

A Uber quer entrar em bolsa com uma valorização de 106 mil milhões de euros e isso inclui a aquisição da saudita Careem Networks, por 2,6 mil milhões de euros.

Serviços da NOS já foram repostos na totalidade

Os clientes não conseguiram comunicar durante várias horas neste domingo.
Comentários