“Super-humanos” vão substituir o homem comum. Previsão é de Stephen Hawking

Físico britânico deixou uma série de artigos onde afirma que, ainda este século, humanos geneticamente modificados e mais capazes em todas as áreas vão acabar com o homem como hoje o conhecemos. O tema é assunto de um livro a editar esta terça-feira.

O físico britânico Stephen Hawking, cujo falecimento foi anunciado em março deste ano, previu que os avanços na engenharia genética vão levar à criação de uma raça de super-humanos. Não é o primeiro a antever essa possibilidade, mas Hawking deixou a opinião de que essa raça modificada acabará por destruir a humanidade – função que outros consideram estar nas mãos da máquinas inteligentes do futuro.

“Acredito que durante este século, as pessoas vão descobrir como modificar a inteligência e os instintos, tal como a agressão. ​​​Vão ser criadas leis contra a engenharia genética em humanos, mas algumas pessoas não vão ser capazes de resistir à tentação de melhorar as características humanas como a memória, a resistência a doenças e a longevidade da vida”, escreveu Stephen Hawking num conjunto de artigos e ensaios até agora inéditos.

Num tema que é usual nos livros de ficção – alguma científica outra meramente especulativa – o físico britânico assume a opinião segundo a qual as pessoas mais ricas vão em breve poder editar o seu próprio ADN e o dos seus filhos com o objetivo de “criar super-humanos com uma memória gigantesca, resistência a doenças, inteligência e longevidade.

O assunto, que remete para um dos últimos livros do escritor norte-americano Don Delillo, é revelado pelo jornal ‘The Sunday Times’ e faz parte de uma obra póstuma que será publicada esta terça-feira, intitulada ‘Brief Answers to the Big Questions’ (‘Breves Respostas para as Grandes Questões’).

O britânico, que sofria de esclerose lateral amiotrófica diagnosticada aos 21 anos, refere que “”assim que os super-humanos aparecerem vai haver problemas políticos significativos com os humanos que não foram melhorados, que não serão capazes de competir”, e que estes, uma vez subalternizados pelos ‘novos’ super-homens, vão, presumivelmente, “acabar por morrer ou deixar de ter importância”.

Relacionadas

Último estudo científico de Stephen Hawking já foi publicado

O artigo foi concluído por colegas das universidades de Cambridge e Harvard e centra-se no paradoxo da informação dos buracos negros.

A Inteligência Artificial pode contribuir para um mundo melhor?

É importante ter em mente que não queremos uma relação de competição: “homem vs máquina”, mas sim uma relação de colaboração, mas será que a sociedade conseguirá controlar isso?

Stephen Hawking: Uma vida sempre sob o signo da Física

Stephen Hawking morreu esta quarta-feira, 14 de março, em Cambridge. O homem que nasceu no mesmo dia em que morreu Galileu Galilei desapareceu na data em que se celebravam os 139 anos do nascimento de Einstein.
Recomendadas

Fundo Ambiental apoia investimentos na descarbonização da logística

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, vai presidir amanhã, dia 20 de novembro, à cerimónia de assinatura dos contratos.

Estudo revela que 49% dos portugueses não denuncia “más condutas éticas” no trabalho

Cerca de metade dos trabalhadores não denuncia as más condutas éticas por não acreditar que seriam tomadas medidas para alterar a situação, considerar que os abusos não são um assunto da sua responsabilidade ou que a denúncia poderia colocar em perigo o seu trabalho.

Conselho de Escolas considera redutor destacar quem inflaciona notas

O presidente do Conselho de Escolas considera que a autonomia e a flexibilização dos critérios de avaliação fazem com que se torne redutor dar mais destaque às escolas que alegadamente inflacionam as notas dos alunos.
Comentários