PremiumSupervisão: O que faz um (bom) governador do banco central?

A poucos dias de Carlos Costa ceder o lugar no Banco de Portugal ao ex-ministro Mário Centeno, o JE consultou quatro economistas sobre o que é necessário para ser escolhido e ter sucesso. Reputação, formação e experiência de bancos centrais, de preferência internacional, são essenciais. Mas também há que ter boa capacidade de comunicação e ‘jogo’ político. Em tempo de Covid-19, a estabilidade do sistema financeiro e a manutenção da independência serão os maiores desafios.

“Um dos cargos mais emocionantes no mundo das finanças”, exclamava Her Majesty’s Treasury (Ministério da Finanças britânico), num tweet a 24 de abril do ano passado, quando abriu, apenas pela segunda vez na história, a recolha de candidaturas para o cargo de governador do Banco de Inglaterra. Phillip Hammond, na altura chancellor of the Exchequer (equivalente a ministro das Finanças), explicava que o governo estava à procura de um candidato do “mais elevado calibre”, alguém reconhecido nas mais altas esferas do circuito dos bancos centrais, para substituir o canadiano Mark Carney. Candidataram-se mais de 600 pessoas ao cargo, que acabou por ser ocupado por Andrew Bailey, vindo da Financial Conduct Authority.

Em Portugal não há concursos para nomear o governador do Banco de Portugal, e estrangeiros não são elegíveis. Cabe ao Governo fazer a nomeação, sob proposta do ministro das Finanças e após audição por parte da comissão competente da Assembleia da República, pelo menos por enquanto. A nomeação de Mário Centeno, que era até há dias ministro das Finanças, para substituir Carlos Costa à frente do banco central tem sido um dos segredos mais mal escondidos nos últimos meses e poderá mesmo levar o Parlamento a mudar as regras para a próxima ocasião.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Morgan Stanley regista lucro e receita acima do esperado no quarto trimestre

A receita, por sua vez, subiu de 10,9 mil milhões de dólares nos últimos três meses de 2019 para 13,6 mil milhões nos meses de outubro a dezembro do ano passado, superando as previsões dos analistas.

BEI mobiliza 50 mil milhões de euros para ajudar PME no primeiro semestre

O Banco Europeu de Investimento (BEI) planeia mobilizar cerca de 50.000 milhões de euros de financiamento no primeiro semestre para ajudar as PME através do novo fundo de garantia criado para lidar com as consequências da pandemia, foi anunciado.

Goldman Sachs e Bank of America surpreendem nos lucros em plena pandemia

Os maiores bancos dos Estados Unidos resistiram à recessão trazida pela pandemia do coronavírus, mas não ficaram imunes às baixas taxas de juro que a crise gerou. O Goldman Sachs teve a melhor receita de ‘trading’ de ações em 10 anos o que compensou a atividade bancária.
Comentários