PremiumSupervisão: O que faz um (bom) governador do banco central?

A poucos dias de Carlos Costa ceder o lugar no Banco de Portugal ao ex-ministro Mário Centeno, o JE consultou quatro economistas sobre o que é necessário para ser escolhido e ter sucesso. Reputação, formação e experiência de bancos centrais, de preferência internacional, são essenciais. Mas também há que ter boa capacidade de comunicação e ‘jogo’ político. Em tempo de Covid-19, a estabilidade do sistema financeiro e a manutenção da independência serão os maiores desafios.

“Um dos cargos mais emocionantes no mundo das finanças”, exclamava Her Majesty’s Treasury (Ministério da Finanças britânico), num tweet a 24 de abril do ano passado, quando abriu, apenas pela segunda vez na história, a recolha de candidaturas para o cargo de governador do Banco de Inglaterra. Phillip Hammond, na altura chancellor of the Exchequer (equivalente a ministro das Finanças), explicava que o governo estava à procura de um candidato do “mais elevado calibre”, alguém reconhecido nas mais altas esferas do circuito dos bancos centrais, para substituir o canadiano Mark Carney. Candidataram-se mais de 600 pessoas ao cargo, que acabou por ser ocupado por Andrew Bailey, vindo da Financial Conduct Authority.

Em Portugal não há concursos para nomear o governador do Banco de Portugal, e estrangeiros não são elegíveis. Cabe ao Governo fazer a nomeação, sob proposta do ministro das Finanças e após audição por parte da comissão competente da Assembleia da República, pelo menos por enquanto. A nomeação de Mário Centeno, que era até há dias ministro das Finanças, para substituir Carlos Costa à frente do banco central tem sido um dos segredos mais mal escondidos nos últimos meses e poderá mesmo levar o Parlamento a mudar as regras para a próxima ocasião.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Até 31 de dezembro o fisco reembolsou aos bancos 254 milhões de euros em créditos tributários

Aí está o primeiro relatório com o histórico dos ativos por impostos diferidos atribuídos em 2014, ao abrigo do regime especial, e dos respetivos pedidos de conversão desses ativos em créditos tributários, abrindo caminho à entrada do Estado no capital. Foram efetuados 19 pedidos de créditos tributários por seis bancos (CGD, Novo Banco, Bison Bank, Efisa, Haitong e Banif), que totalizam 1.131 milhões.

Pedro Castro e Almeida diz que a criação do Banco Português de Fomento “é uma boa ideia”

O CEO do Santander referiu que existem exemplos de países onde o banco de fomento funciona “bem”. Numa conferência promovida pela Associação Cristã de Empresários e Gestores, apelou ainda à dinamização da economia através de capital e não de dívida, e disse, segundo os dados que tem à data, a situação económica do país futura não é alarmante.

Virgílio Lima: “Imparidades de hoje são fontes de valor no futuro”

A PwC avaliou o Banco Montepio pelo valor dos seus capitais próprios, ou seja, cerca de 1.500 milhões de euros, obrigando à constituindo imparidades. “Existem 1.049 milhões de euros em imparidades que são reversíveis, à medida que as empresas forem cumprindo os seus Planos de Negócio no futuro recuperando valor”, diz Virgílio Lima que apela de “fontes de valor no futuro”.
Comentários