Surdos já podem ligar para os serviços de emergência através de nova aplicação

Esta aplicação é “exclusivamente dedicada aos cidadãos surdos e destina-se a possibilitar a essa população um canal privilegiado de contacto com o serviço 112 para comunicação de emergências”, segundo o Governo.

Estava prometida há cerca de dois anos e agora chega aos telemóveis de cidadãos portugueses que sofram de perda auditiva. A Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna (MAI) indicou a criação e o funcionamento da aplicação MAI 112, gratuita.

Esta aplicação é “exclusivamente dedicada aos cidadãos surdos e destina-se a possibilitar a essa população um canal privilegiado de contacto com o serviço 112 para comunicação de emergências”, indica a própria Secretaria Geral do MAI. De acordo com este ministério, a aplicação para smartphone incluiu videoconferência com acesso a tradução simultânea através de intérprete de Língua Gestual Portuguesa (LGP), geolocalização, envio de mensagens pré-definidas e personalizadas pelo cidadão e envio de mensagens pelo cidadão.

“Estes novos canais de comunicação com o serviço 112, disponibilizados à comunidade de cidadãos surdos com domínio da LGP, exigiu um significativo esforço não só ao nível das mudanças tecnológicas implementadas no Serviço 112, mas também ao nível dos recursos humanos envolvidos no processo de atendimento e despacho”, revela a Secretaria Geral do MAI.

Para a criação do atendimento destes cidadãos, adaptaram-se os centros operacionais a novas fontes, como vídeo e mensagens, a equipa operacional foi treinada e preparada para “novas formas de atendimento”, contratação e treino de intérpretes de LGP e definição de novos procedimentos para o atendimento imediato a cidadãos surdos.

Recomendadas

PSD questiona Governo sobre apoios para portugueses que estão retidos no estrangeiro

O PSD recordou que “ainda se encontram por regressar a Portugal cerca de 430 portugueses, espalhados por 35 países”

Costa avisa Comissão Executiva da TAP que plano de rotas “não tem credibilidade”

O primeiro-ministro afirmou hoje que a Comissão Executiva da TAP tem o dever legal de “gestão prudente” e “não tem credibilidade” um plano de rotas sem prévia informação sobre a estratégia de reabertura de fronteiras de Portugal.

PS assinala “vontade inequívoca” do Governo de reforçar funções sociais do Estado e fazer investimento público

José Luís Carneiro encerrou a ronda de dois dias de reuniões do Governo com os partidos representados na Assembleia da República para debater o Programa de Estabilização Económica e Social.
Comentários