Parlamento britânico suspenso até 14 de outubro

A pedido do primeiro-ministro, até ao dia 14 de outubro, o Parlamento britânico fica suspenso. Manobra foi considerada pela oposição como uma tentativa de aproximar o país de uma saída sem acordo, mas os tribunais consideraram-na legal.

O Governo britânico confirmou, esta manhã, que o Parlamento ficará suspenso depois do fim da sessão de hoje. Assim, tanto a Câmara dos Comuns como a dos Lordes só retomarão atividade a 14 de outubro.

A suspensão (prorogation, em inglês) é normal no fim de cada sessão legislativa anual e quando há uma mudança de Governo. O regresso ao ativo costuma dar-se com o Discurso da Rainha, escrito pelo Governo para definir as suas prioridades para o ano que se segue. A decisão de suspender o Parlamento cabe ao Executivo, apesar de precisar da assinatura forma de Isabel II. Ainda que juridicamente nada impedisse a chefe de Estado de recusá-lo, seria um precedente político de enorme gravidade.

A palavra de Boris Johnson de manter o Parlamento fechado mais de um mês, tão perto do prazo em vigor para sair da UE (31 de outubro), gerou acusações da oposição de que foi politicamente motivada para aproximar o país de uma saída sem acordo. Mas as queixas apresentadas à Justiça pelos deputados foram derrubadas: O Supremo Tribunal de Londres considerou a decisão legal.

Os tribunais de Inglaterra, Escócia e País de Gales foram chamados a refletir sobre a suspensão do Parlamento britânico depois de vários deputados terem considerado “ultrajante” a decisão de Boris Johnson. Em causa estão três tentativas, cada uma delas com autores diferentes e argumentos distintos, para que o Parlamento do Reino Unido possa continuar a funcionar normalmente na próxima semana.

Johnson deseja pôr fim não só à sessão legislativa anual como à própria legislatura. Esta tarde os deputados discutirão e votarão, pela segunda vez num espaço de dias, uma proposta do Executivo para marcar eleições antecipadas para 15 de outubro. Na semana passada a ideia foi rejeitada, por não ter obtido os dois terços de votos favoráveis que a lei exige. Não se prevê um resultado diferente nesta nova tentativa.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Boris Johnson prepara-se para mais uma semana caótica na novela do Brexit

Num dia preenchido em várias frentes, Boris Johnson prepara-se para enfrentar o Parlamento mais uma vez antes de ser suspenso até ao dia 14 de outubro. O segundo pedido de eleições antecipadas, que deverá ser novamente chumbado, é o tema quente do dia.

“Um Brexit sem acordo pode significar perdas de 2,3 mil milhões de euros para Portugal”

O comentador do PSD considera que Boris Johnson criou um “série de trapalhadas” que podem prejudicar fortemente os países do bloco europeu. Marques Mendes salienta que o setor têxtil português será o principal afetado pelo “hard Brexit”.

França ameaça vetar pedido de extensão do Brexit

A impaciência para um desfecho do Brexit já se começa a sentir entre os líderes europeus. Le Drian, ministro dos negócios estrangeiros francês ameaçou vetar o pedido de extensão e afimou: “Não vamos aprovar um pedido de extensão a cada três meses”.
Recomendadas

Os números que contam nas legislativas do Reino Unido a 12 de dezembro

Esta quinta-feira encerra o prazo de inscrição dos candidatos e pelo menos 79 deputados não se vão recandidatar.

Javier Tebas: “Receitas televisivas? 42% do valor vem de fora de Espanha”

O presidente da Liga espanhola, Javier Tebas, falou ao Jornal Económico sobre o processo de digitalização ao qual foi sujeita a La Liga. Este dirigente explicou ao JE como a La Liga se tornou um campeonato global com quase metade das receitas televisivas a virem de fora de Espanha.

Partido do Brexit recua para favorecer conservadores nas eleições

Nigel Farage não vai apresentar candidatos às legislativas britânicas de 12 de dezembro em quase metade dos círculos. “O que vamos fazer é concentrar os nossos esforços”, afirma.
Comentários