Sword Health é o mais recente unicórnio português após encaixar mais 189 milhões de dólares (com áudio)

A startup com sede no Porto, que desenvolveu uma solução digital para tratamento de patologias músculo-esqueléticas, está agora avaliada em 2 mil milhões de dólares (aproximadamente 1,8 mil milhões de euros) e quer recrutar 300 trabalhadores nos próximos meses.

Portugal já conta com seis unicórnios. A startup Sword Health é a mais recente empresa com ADN português a ter uma avaliação superior a mil milhões – neste caso 2 mil milhões de dólares (aproximadamente 1,8 mil milhões de euros) – depois de anunciar esta segunda-feira que fechou uma ronda de financiamento série D no valor de 189 milhões de dólares (cerca de 168 milhões de euros).

A tecnológica do Porto, que criou a primeira solução digital para o tratamento de patologias músculo-esqueléticas, foi também a mais rápida a atingir o estatuto de “unicórnio” no país, depois da Farfetch, Outsystems, Talkdesk, Feedzai e Remote.

A nova ronda de financiamento foi liderada pela Sapphire Ventures e contou ainda com a participação dos investidores recém-chegados Sozo Ventures, Willoughby Capital, ADQ, LocalGlobe, bem como os históricos General Catalyst, Khosla Ventures, Founders Fund, Bond, Transformation Capital e Green Innovations.

A healthtech criada em 2015 pelo empreendedor Virgílio Bento, que desenvolve tecnologia para patologias músculo-esqueléticas, irá utilizar a verba para acelerar a expansão global do negócio, recrutar 300 trabalhadores ao longo dos próximos meses e criar novas terapias digitais (desde a prevenção até aos cuidados pós-cirurgia) para aquelas que são das principais causas de dor crónica e incapacidade, afetando mais de 2 mil milhões de pessoas em todo o mundo.

“Vamos acelerar a criação de valor para os nossos clientes, à medida que continuamos a construir a principal solução digital para tratamento de patologias músculo-esqueléticas no mundo dos cuidados de saúde, disponível em qualquer lugar e para todos”, garante o CEO e fundador da Sword Health, em comunicado.

“Através do nosso estudo de mercado e juntos dos clientes, descobrimos que a Sword está a demonstrar resultados clínicos tangíveis para proporcionar vidas mais saudáveis e felizes para as pessoas e poupanças significativas para os seus clientes – uma abordagem vencedora. Acima de tudo, estamos entusiasmados por colaborar com um dos fundadores mais dedicado e mais apaixonado que já encontramos, o Virgílio”, afirma Rajeev Dham, sócio da Sapphire Ventures.

O financiamento surge depois de a startup ter fechado 25 milhões de dólares (22 milhões de euros) numa ronda série B realizada em janeiro deste ano e de ter angariado 85 milhões de dólares (72 milhões de euros) numa ronda série C feita no passado mês de junho.

Da Sword Health à ComparaJá. As 25 maiores scale-ups portuguesas de 2020

Recomendadas

Governo recebe 300 milhões da CGD em dividendos extraordinários

Com este dividendo extraordinário, o Estado recebe ao todo em 2021, da CGD, 383,6 milhões de euros.

“Teletrabalho? Caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos em virtude do trabalho remoto”

“Ficou claro que caberá ao empregador pagar tudo o que seja relativo à aquisição de equipamentos e de instrumentos de trabalho: computadores, tablets, telemóveis, impressoras, etc. Por outro lado, caberá ao empregador pagar o acréscimo de custos que o trabalhador comprovadamente demonstrar serem relativos ao teletrabalho”, realçou Maria João da Luz, advogada sénior da Morais Leitão.

Haitong Bank liderou a emissão de obrigações da Mota-Engil num sindicato que incluiu CaixaBI, Finantia e Novobanco

Nesta emissão, a Mota-Engil compromete-se a melhorar um indicador (KPI) de modo a alcançar a uma meta de desempenho de sustentabilidade (SPT) em 31 de dezembro de 2025; caso a emitente não cumpra esse objetivo, pagará uma remuneração adicional de 1,25 euros por obrigação Mota-Engil 2026 na data de reembolso final do empréstimo.
Comentários