Tancos. PGR equacionou chamar Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa como testemunhas

Presidente da República e primeiro-ministro estiveram para ser chamados pelo Ministério Público como testemunhas no processo de Tancos. No entanto, o diretor do Departamento Central de Investigação e Acção Penal concluiu que essas inquirições “não revestiam relevância para as finalidades do inquérito”.

A Procuradoria-Geral da República esclareceu esta terça-feira que, na sequência do processo de Tancos, mais concretamente na fase final do inquérito, foi equacionada “a pertinência da inquirição como testemunhas do Presidente da República e do Primeiro-Ministro”.

Neste contexto, este comunicado esclarece que o diretor do Departamento Central de Investigação e Acção Penal “concluiu, perante os elementos constantes dos autos, que tais inquirições não revestiam relevância para as finalidades do inquérito nem tão pouco se perfilavam como imprescindíveis para o apuramento dos crimes objeto de investigação, dos seus agentes e da sua responsabilidade”.

A antiga Procuradora Geral da República é uma das 112 testemunhas arroladas pelo Ministério Público no caso de Tancos. Joana Marques Vidal nunca poupou críticas à atitude da Polícia Judiciária Militar (PJM) no inquérito ao furto de Tancos, nomeadamente em relação ao “achamento” do material militar. De acordo com a acusação, a que o Jornal Económico teve acesso, entre as testemunhas que o MP quer ouvir está ainda o deputado do PS Tiago Barbosa Ribeiro que trocou sms com o antigo ministro da Defesa, Azeredo Lopes, aquando da recuperação do material furtado.

Em março deste ano, na comissão de inquérito ao furto de Tancos, Joana Marques Vidal afirmou no Parlamento que a PJM “fez diligências” e prosseguiu uma “investigação criminal quando não tinha competência para isso”, pois “estava entregue à PJ”.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Tancos. Ministério Público vai chamar Joana Marques Vidal

A antiga procuradora-geral da República Joana Marques Vidal defendeu no Parlamento que a Polícia Judiciária Militar (PJM) atuou de forma ilegal no processo que levou ao “achamento” do material militar furtado dos paióis de Tancos, em 2017.

De Tancos a Sócrates. Como foi o primeiro dia da última semana de campanha

Com o título “Desta vez o nome é Tancos”, José Sócrates considera, num artigo publicado na edição “online” do jornal Expresso, que a apresentação da acusação judicial sobre o caso de Tancos a meio da campanha eleitoral tem “evidente e ilegítima motivação política” e crítica anteriores declarações de António Costa sobre justiça.

Tancos: Major Vasco Brazão vai pedir abertura de instrução

No processo do roubo e da encenação da recuperação das armas, Vasco Brazão está acusado de associação criminosa, tráfico e mediação de armas, falsificação ou contrafação de documentos, denegação de justiça e prevaricação e de favorecimento pessoal praticado por funcionário.
Recomendadas

Ricardo Salgado vai ser acusado de liderar organização criminosa dentro do BES

O Ministério Público prepara-se para revelar o despacho de acusação do caso BES até dia 15. A investigação leva o MP a considerar a existência de uma organização criminosa liderada por Ricardo Salgado

Eurodeputados pedem inquérito da Autoridade Bancária Europeia ao ‘Luanda Leaks’

Os parlamentares instam também as autoridades nacionais a iniciarem as investigações sobre as revelações do caso ‘Luanda Leaks’ e a intentarem ações contra as partes interessadas que violem as normas em matéria de luta contra o branqueamento de capitais.

Tribunal declara inconstitucional lei do direito de preferência dos inquilinos

O Tribunal Constitucional declarou inconstitucional a lei que garante o exercício do direito de preferência pelos arrendatários na transmissão das habitações, um pedido de fiscalização sucessiva que tinha sido feito pelo CDS-PP e PSD em outubro de 2018.
Comentários