PremiumTAP arrisca reestruturação e despedimentos com pedido de auxílio a Bruxelas

Plano tem de passar crivo da Comissão Europeia, que pode exigir redução de rotas e da frota se os danos estimados não decorrerem só da Covid-19.

O Governo prepara uma ajuda de Estado à TAP, cujas medidas para mitigar os efeitos da crise da Covid-19 terão de passar pelo crivo da Comissão Europeia. O plano de auxílio ainda está a ser desenhado ao nível técnico e jurídico e deverá estar concluído no final de maio para o Executivo enviar a Bruxelas as necessidades financeiras que poderão superar os mil milhões de euros e levar à imposição de condições comunitárias. Em causa estão medidas de reestruturação da companhia aérea que arrisca, assim, a redução de rotas e da frota que terá como consequência despedimentos na empresa que emprega cerca de dez mil trabalhadores, revelou ao Jornal Económico fonte próxima ao processo.

“Caso Bruxelas conclua que os danos estimados não decorrem apenas da pandemia da Covid-19 e que a empresa já estava em dificuldades antes desta crise, a 31 de dezembro de 2019, poderá impor condições ao pedido de auxílio estatal que obrigam a uma reestruturação na TAP. São medidas que podem passar por redução de rotas, da frota e restrições à operação do Brasil, o que levará a despedimentos”, explica a mesma fonte.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Responsabilidades do BES para com o Fundo de Pensões dos administradores vão ser extintas

A ASF autorizou a extinção das responsabilidades com pensões do ex-administradores executivos do BES.

Vendas do dono do Minipreço cresceram 6,3% no segundo trimestre de 2020

As vendas comparáveis (‘like-for-like’) do grupo de distribuição que opera em Portugal, Espanha, Brasil e Argentina registou um aumento de 14,9% no período em análise face ao segundo trimestre de 2019, “com todos os mercados positivos pela primeira vez desde o 4º trimestre de 2016”.

BES e ESFG em disputa judicial pela ES Health Care Investment

A ESFG e o BES arrastam um processo judicial de disputa pela participação de 17,74% na Espírito Santo Health Care Investment e os dividendos que esta distribuiu ao BES no valor de 9,23 milhões. Mais recentemente a ESFG impugnou a lista de credores reconhecidos pelo BES, junto do Tribunal do Comércio, por não estar lá reconhecido o seu direito a esses ativos, o que o BES ainda vai contestar.
Comentários