TAP deve receber injeção de capital na ordem dos mil milhões de euros

O dinheiro deverá ser injetado seguindo um modelo semelhante ao aplicado noutros países europeus que já foram em auxílio às suas companhias aéreas: um rácio entre o número de aviões e o número de passageiros transportados em 2019.

Ainda não há um valor acordado em relação à injeção de capital que a TAP vai receber, mas fonte próxima das negociações adianta à rádio TSF que o valor deve rondar os mil milhões de euros.

Segundo a TSF, o dinheiro deverá ser injetado seguindo um modelo semelhante ao aplicado noutros países europeus que já foram em auxílio às suas companhias aéreas: um rácio entre o número de aviões e o número de passageiros transportados em 2019. No caso da Swiss Air, que tem 107 aviões e transportou 21,5 milhões de passageiros o ano passado, recebeu ajudas públicas no valor de 1.400 milhões.

Já a TAP tem uma frota de 105 aviões e transportou o ano passado 17,1 milhões de passageiros. Os dois lados da negociação apontam para um valor que ronda os mil milhões de euros, podendo até ser ligeiramente superior.

O Estado e os acionistas privados da TAP estiveram reunidos nas últimas duas semanas para encontrar uma solução para a transportadora aérea portuguesa, que está parada há cerca de dois meses devido à pandemia da Covid-19. Esta semana, decorreram novas reuniões entre o Estado e a Comissão Executiva da TAP.

Recomendadas

PSD diz que “começa a ser evidente” necessidade de uma comissão de inquérito ao Novo Banco

Em causa está mais um negócio ruinoso do Novo Banco para o Estado português, desta vez com a venda a preços de saldo de uma seguradora a um fundo detido por um milionário condenado por corrupção. Os social-democratas dizem que comissão de inquérito é essencial para se perceber como forma feitas as compras e vendas de ativos do banco.

Empresa impugna em tribunal concurso para expansão do Metro do Porto

Uma empresa interpôs duas ações judiciais para impugnar o concurso para a construção da Linha Circular (Rosa) e o prolongamento da Amarela do Metro do Porto, ganho pelo consórcio Ferrovial/ACA, por “violação da lei e da concorrência”.

ASF esclarece que não se opôs à venda do GNB porque Lindberg não seria o beneficiário final

Supervisor de seguros português reitera que apenas se pronunciou sobre idoneidade e capacidade de assegurar gestão sã da GNB pelo fundo Apax, no qual não detetou ligações com o empresário condenado por corrupção nos EUA.
Comentários